PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
1 mês

Senadores Randolfe e Heinze discutem na CPI: 'O senhor é fake news aqui'

Do UOL, em São Paulo

22/06/2021 13h30Atualizada em 22/06/2021 16h58

O vice-presidente da CPI da Covid, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), discutiu com senadores governistas durante a sessão de hoje, que teve como depoente o deputado federal Osmar Terra (MDB-RS), que é aliado do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e apontado pela comissão como um dos líderes do suposto "gabinete paralelo".

O bate-boca se deu em torno das mortes por covid-19 em países europeus. No início de sua fala, Terra afirmou que a Suécia, que não adotou lockdown no início da pandemia, teve uma taxa de mortalidade menor que a de outros países que adotaram medidas restritivas, mas foi desmentido pelo senador Otto Alencar (PSD-BA).

Posteriormente, o senador Ciro Nogueira (PP-PI) resgatou o assunto para dizer que os dados citados por Terra estavam corretos, mas foi interrompido por Randolfe, que afirmou que a Suécia é país da Escandinávia com a maior mortalidade —foi o único da região a não adotar medidas restritivas.

No ano passado, a Suécia não impôs restrições de circulação para conter o coronavírus, e optou por orientar que a população fizesse distanciamento social. Em junho de 2020, o epidemiologista-chefe da Suécia admitiu que esta decisão resultou em mais mortes que o esperado. Segundo dados da universidade Johns Hopkins disponíveis na plataforma Our World in Data, a Suécia tem uma taxa de mortalidade por milhão superior à dos outros países da Escandinávia.

"O que não pode é prevalecer uma estratégia de desinformar as pessoas. Já chega, esta CPI não pode ser uma CPI de fake news", disse o vice-presidente da CPI.

Na sequência, o senador Luiz Carlos Heinze (PP-RS) entrou na discussão e afirmou que não se tratava de fake news, e foi atacado por Randolfe.

"O senhor é fake news aqui. É o cara que mais mente nesta CPI", disse.

Heinze, por sua vez, rebateu questionando o fato de os senadores independentes e de oposição não terem participado da última sessão da CPI que ouviu especialistas favoráveis ao tratamento precoce.

"Por que não vieram questionar? Não é fake news", afirmou Heinze.

Houve uma discussão generalizada, e o presidente da comissão, senador Omar Aziz (PSD-AM), precisou intervir.

"Eu estou preocupado, porque da última vez que teve o bate-boca aqui, eu fui processado, eu e o senador Otto. Vai que eu vá ser processado, eu não vou aguentar pagar esse dinheiro todo, por favor. Vocês vão fazer uma cota para pagar, eu estou avisando. Vocês batem boca e eu que pego o pato aqui", declarou Aziz.

O presidente da CPI da Covid e o senador Otto Alencar são alvos de um processo por danos morais por parte da médica Nise Yamaguchi, que alega ter sido humilhada durante seu depoimento à comissão.

A CPI da Covid foi criada no Senado após determinação do Supremo. A comissão, formada por 11 senadores (maioria é independente ou de oposição), investiga ações e omissões do governo Bolsonaro na pandemia do coronavírus e repasses federais a estados e municípios. Tem prazo inicial (prorrogável) de 90 dias. Seu relatório final será enviado ao Ministério Público para eventuais criminalizações.