PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
1 mês

Força Brasil enviou 2 integrantes a reunião sobre vacina, diz reverendo

03.ago.21 - Reverendo Amilton Gomes de Paula em depoimento à CPI da Covid - Jefferson Rudy/Agência Senado
03.ago.21 - Reverendo Amilton Gomes de Paula em depoimento à CPI da Covid Imagem: Jefferson Rudy/Agência Senado

Do UOL, em São Paulo

03/08/2021 18h03Atualizada em 03/08/2021 18h52

O Instituto Força Brasil, que levou vendedores de vacina da Davati ao Ministério da Saúde, enviou dois integrantes para reunião do dia 12 de março sobre a compra de doses da AstraZeneca, confirmou hoje o reverendo Amilton Gomes de Paula na CPI da Covid.

Além de Elcio Franco, ex-secretário-executivo do Ministério da Saúde, a CPI agora tem a informação de que o diretor executivo do Instituto Força Brasil também participou do encontro.

Em 12 de março, uma sexta-feira, Elcio Franco se reuniu com dois representantes da Davati, o vendedor Paulo Dominghetti e o empresário Cristiano Carvalho, representante oficial da Davati no Brasil. A informação do encontro foi dada por Carvalho à CPI da Covid e consta em mensagem de celular do telefone de Dominghetti, periciado em depoimento dele à comissão.

"Então o Instituto Força Brasil foi protagonista na reunião do dia 12", afirmou o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP).

O reverendo Amilton Gomes de Paula é suspeito de intermediar uma venda supostamente superfaturada da AstraZeneca ao Ministério da Saúde, sem a autorização da farmacêutica —em 29 de junho, Dominghetti foi à imprensa para denunciar um suposto pedido de propina de US$ 1 por dose de vacina por parte de Roberto Dias, ex-diretor do departamento de logística do Ministério da Saúde.

Em depoimento à Comissão em julho, Carvalho indicou que foram buscados dois caminhos para a venda de vacinas junto ao Ministério da Saúde: um seria através do coronel Blanco e Roberto Dias; o outro, que chegou ao coronel Élcio Franco, por intermédio do Instituto Força Brasil, liderado por Helcio Bruno.

Na ocasião, o empresário falou em "intermediação" do reverendo Amilton, via Senah (Secretaria Nacional de Assuntos Humanitários), que, apesar do que o nome possa levar a entender, é uma instituição privada.

"O advogado do Instituto Força Brasil foi nos buscar no aeroporto com alguns funcionários da Senah, da Secretaria de Assuntos Humanitários, e nos levou à sede do Instituto Força Brasil", disse Carvalho.

O Força Brasil chegou a fazer contato com grupos de médicos para desenvolver uma ferramenta de telemedicina, que permitisse a eles atender os pacientes interessados de forma remota. O objetivo seria o de criar um aplicativo para oferecer o chamado "tratamento precoce", sem comprovação científica contra a covid-19.

A CPI da Covid foi criada no Senado após determinação do Supremo. A comissão, formada por 11 senadores (maioria é independente ou de oposição), investiga ações e omissões do governo Bolsonaro na pandemia do coronavírus e repasses federais a estados e municípios. Tem prazo inicial (prorrogável) de 90 dias. Seu relatório final será enviado ao Ministério Público para eventuais criminalizações.