PUBLICIDADE
Topo

Política

Conteúdo publicado há
1 mês

'Perdi amigos porque apoio Bolsonaro. Tudo livramento', diz Sérgio Camargo

O presidente da Fundação Palmares, Sérgio Camargo, classificou como "livramento" ter perido amizades por apoiar Bolsonaro - Pedro Ladeira/Folhapress
O presidente da Fundação Palmares, Sérgio Camargo, classificou como "livramento" ter perido amizades por apoiar Bolsonaro Imagem: Pedro Ladeira/Folhapress

Do Uol, em São Paulo

29/08/2021 16h49Atualizada em 30/08/2021 20h31

O presidente da Fundação Cultural Palmares, Sérgio Camargo, disse que amigos e familiares se afastaram e "deram as costas" porque ele "apoia e acredita" no presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

Apesar do cenário, Camargo considerou como "livramento" a rejeição de pessoas próximas devido aos seus posicionamentos políticos.

Perdi muitos amigos, ex-colegas de redação e alguns familiares me deram as costas porque apoio e acredito em Jair Bolsonaro. Se estou chateado? Tudo livramento!
Sérgio Camargo

A declaração de Camargo acontece em um momento de avanço das tensões entre os três Poderes gerada por ataques contra as instituições feitas por bolsonaristas e pelo próprio presidente.

Em apoio ao que declara Bolsonaro, Camargo se define como "negro de direita, antivitimista, inimigo do politicamente correto e livre" e em diversos momentos se posicionou contra a promoção da cultura afro-brasileira — ainda que esse seja o foco da Fundação Palmares.

Organizações do movimento negro brasileiro chegaram a acionar a ONU (Organização das Nações Unidas) para denunciar Camargo pela violação dos direitos humanos. A ação inédita ocorreu no final de julho deste ano.

O apelo enviado foi assinado pela Coalizão Negra por Direitos, entidade que reúne 200 grupos e coletivos negros para promover ações conjuntas de incidência política nacional e internacional.

Procurado pela reportagem do UOL na altura, Camargo não respondeu aos questionamentos sobre o assunto. Em uma de suas falas, Camargo chegou a dizer que o movimento negro é uma "escória maldita formada por vagabundos".

Em outros momentos, abordou o legado de figuras da cultura afro-brasileira como Zumbi dos Palmares, a quem chamou de "falso herói".

Ações como essa, segundo o relatório enviado à ONU, configuram o esvaziamento do histórico de lutas e contribuições dos movimentos negros na construção da sociedade brasileira.

"Sigo firme e forte"

Após a publicação desta matéria, Camargo voltou a usar as redes sociais para se manifestar sobre o afastamento de amigos e familiares por conta dos seus posicionamentos políticos.

Na visão do presidente da Fundação Palmares, o afastamento dessas pessoas não foi "um preço a pagar", mas um "grande ganho".

"Sigo firme e forte", escreveu Camargo.

Política