PUBLICIDADE
Topo

Política

Conteúdo publicado há
4 meses

Mario Frias chama Doria de 'farsa' e ameaça reabertura do Museu do Ipiranga

"É uma farsa patética. Não vou discutir com alguém que mente patologicamente", disse Frias sobre Doria - Mateus Bonomi/AGIF/Estadão Conteúdo
"É uma farsa patética. Não vou discutir com alguém que mente patologicamente", disse Frias sobre Doria Imagem: Mateus Bonomi/AGIF/Estadão Conteúdo

Anaís Motta

Do UOL, em São Paulo

02/09/2021 14h47Atualizada em 02/09/2021 19h26

Secretário Especial da Cultura, Mario Frias criticou hoje o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), por declarações sobre o financiamento da reforma do Museu Paulista da USP (Universidade de São Paulo), mais conhecido como Museu do Ipiranga. Em uma rede social, Frias chamou Doria de "farsa patética" e ameaçou dificultar a reabertura do museu, fechado desde 2013 para obras.

"O sujeito é uma farsa patética. Não vou discutir com alguém que mente patologicamente. Faz assim, tenta inaugurar a obra sem a minha permissão. Irei aplicar a punição prevista, reprovando as contas da reforma, forçando a devolução de todo investimento. Vai lá, tente inaugurar", escreveu o secretário, ao comentar um tuíte do governador.

Na postagem, feita em 31 de agosto, Doria anunciou o início da contagem regressiva para a reabertura do Museu do Ipiranga, programada para setembro de 2022, quando também será celebrado o bicentenário da Independência do Brasil. O governador ainda exaltou o investimento privado nas obras — o que gerou a reação de Frias.

"Hoje começamos a contagem regressiva para a reabertura do Novo Museu do Ipiranga. O museu está sendo totalmente reformado com patrocínio do setor privado. Ele será reaberto na comemoração do bicentenário da Independência do Brasil, em setembro de 2022", publicou o tucano.

Procurado pelo UOL, o governo de São Paulo reiterou que o projeto de reforma do Museu do Ipiranga recebeu investimento direto da administração estadual, da USP, da prefeitura de São Paulo e de empresas, além de recursos incentivados via Lei Rouanet (Lei de Incentivo à Cultura), e disse que as declarações de Mario Frias "não merecem comentário".

"O Museu do Ipiranga é uma instituição cultural do governo do estado de São Paulo vinculada à Universidade de São Paulo. As declarações do secretário são desprovidas de base legal e não merecem comentário. A prioridade do governo do estado de São Paulo é a execução com excelência do projeto e a entrega no prazo", acrescentou.

Já o governador João Doria se pronunciou nas redes sociais, onde se referiu a Frias — sem citá-lo nominalmente — como "negacionista da cultura".

Lutamos pela vacina contra os negacionistas da ciência. Agora vamos lutar para reinaugurar o Museu do Ipiranga contra os negacionistas da cultura. Não temos medo de enfrentar essa gente que joga contra o país e vive num roteiro de show de horrores.
João Doria, no Twitter

Cultura cita mesmo prazo

Apesar das ameaças de Mario Frias, a própria Secretaria Especial da Cultura cita o bicentenário da Independência do Brasil como data para reabertura do Museu do Ipiranga. Ontem, também no Twitter, o perfil oficial da pasta confirmou que o museu será entregue em setembro de 2022 e que a obra foi custeada em parceria com a iniciativa privada, via Lei Rouanet.

"Para o Secretário Especial da Cultura, Mario Frias, o investimento na restauração do Novo Museu do Ipiranga significa um resgate do imaginário público de todos os grandes heróis da nossa independência. 'A comemoração do bicentenário é um evento de todos os brasileiros, e iremos levá-la para cada um de vocês'", diz um trecho do link que está no tuíte e que leva ao site da Secretaria.

"Estamos trabalhando para reabrir o museu a tempo da celebração do bicentenário da Independência. Infelizmente, funcionários do governo federal têm feito o possível para prejudicar o andamento do projeto. Sem qualquer base legal", completou, lamentando as falas de Frias.

Agora, atacam de modo vil o governador João Doria. E ameaçam a continuidade da obra, que está 70% feita. Querem destruir o que fazemos com rigor, excelência e respeito à história e ao patrimônio cultural do Brasil. São Paulo valoriza a cultura e não deixará que este devaneio autoritário prevaleça. Viva o Museu do Ipiranga!
Sérgio Sá Leitão, secretário de Cultura de SP

Política