PUBLICIDADE
Topo

Política

'Zé Trovão e sua turma perderam chão com áudio de Bolsonaro', diz Josias

Colaboração para o UOL

09/09/2021 10h06Atualizada em 09/09/2021 13h30

Em meio às tensões provocadas pelos bloqueios dos caminhoneiros em, pelo menos, 15 estados brasileiros, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) lançou um áudio ontem à noite pedindo a desmobilização. Segundo o colunista Josias de Souza, Zé Trovão se irritou com a gravação divulgada.

"Zé Trovão e sua turma perderam o chão ao ouvir áudio de Bolsonaro", ironizou o colunista durante sua participação no UOL News. "Zé Trovão vai acabar chamando o mito de canalha", acrescentou. O nome real da figura bolsonarista é Marcos Antônio Pereira Gomes, que está foragido da polícia e apareceu ontem em vídeo nas redes sociais encorajando as paralisações.

Zé Trovão é acusado de promover a incitação de atos de caráter golpista contra o Congresso Nacional e a Suprema Corte, por meio das redes sociais. Ele teria descumprido ordens cautelares determinadas anteriormente por Moraes.

Segundo Josias, o bloqueio dos caminhoneiros é algo que provoca medo na população brasileira, "porque viveram isso em 2018" com a greve da categoria. Ontem, foram relatadas algumas filas longas em postos de gasolina, causadas por pessoas com receio de efeitos parecidos com os de três anos atrás.

No entanto, representantes da classe afirmam que a situação está normal e que a movimentação é política. Na análise do colunista, os "caminhoneiros usam a falta de nexo para trancar rodovias enquanto Bolsonaro lembra que tem um país".

Apesar do áudio do presidente pedindo o fim da paralisação, Josias criticou a postura do mandatário federal. "Bolsonaro se revela um gestor autossuficiente em crises: ele mesmo explora a mobilização política, ele mesmo fareja os danos na economia e ele mesmo abandona os caminhoneiros", falou.

Lembrando que Bolsonaro costumava incitar posturas radicais dos caminhoneiros em 2018, Josias disse: "Um bloqueio como o de 2018 no governos dos outros é refresco, no dele é problema".

Política