PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
15 dias

Diretor da Prevent diz que negou participar de grupo de WhatsApp com Wizard

22.set.2021 - O diretor-executivo da operadora de saúde Prevent Senior, Pedro Benedito Batista Júnior, depõe na CPI da Covid. - Edilson Rodrigues/Agência Senado
22.set.2021 - O diretor-executivo da operadora de saúde Prevent Senior, Pedro Benedito Batista Júnior, depõe na CPI da Covid. Imagem: Edilson Rodrigues/Agência Senado

Do UOL, em São Paulo

22/09/2021 16h28

O diretor-executivo da Prevent Senior, Pedro Benedito Batista Júnior, disse hoje durante depoimento à CPI da Covid que o empresário Carlos Wizard o colocou em um grupo de WhatsApp, mas que ele recusou participar e saiu logo em seguida. Ele não disse qual seria o assunto do grupo ou os participantes.

"Eu não aceitei participar e saí na hora", respondeu ele, ao ser questionado se integrava uma conversa conjunta com Wizard. "Quando tentaram me explicar, não entendi, [o grupo] não tinha um objetivo próprio e saí do grupo imediatamente. Não tinha porque permanecer em grupo que não tinha objetivo".

Batista Júnior disse ainda não ter visto quem eram os demais participantes. "Eu não fiquei observando quem participava. Assim que Wizard me colocou, eu disse 'Desculpa, Carlos, não vou participar de grupo algum', e saí".

Segundo o presidente da comissão, o senador Omar Aziz (PSD-AM), esse grupo seria do "gabinete paralelo", o grupo de pessoas que aconselhava o Palácio do Planalto em relação à pandemia, à revelia das decisões oficiais do Ministério da Saúde.

Quando depôs à CPI da Covid, em junho deste ano, Wizard calou sobre a maior parte dos questionamentos, mas negou ter participado ou tomado conhecimento da existência do "gabinete paralelo".

'Gabinete paralelo'

O "gabinete paralelo" foi uma das principais linhas de investigação nos primeiros meses da comissão.

Na avaliação da cúpula da CPI, esse grupo sem vínculo formal com o Ministério da Saúde influenciou a tomada de decisões do Palácio do Planalto na condução da pandemia, como o incentivo à cloroquina e a defesa da tese de imunização de rebanho — na contramão do que dizem estudos científicos e autoridades da saúde.

A CPI da Covid foi criada no Senado após determinação do Supremo. A comissão, formada por 11 senadores (maioria é independente ou de oposição), investiga ações e omissões do governo Bolsonaro na pandemia do coronavírus e repasses federais a estados e municípios. Tem prazo inicial (prorrogável) de 90 dias. Seu relatório final será enviado ao Ministério Público para eventuais criminalizações.