PUBLICIDADE
Topo

Política

Ciro ataca PT para tentar roubar votos anti-Lula e ser 3ª via, diz Sakamoto

Colaboração para o UOL

13/10/2021 19h42Atualizada em 14/10/2021 10h31

Em participação no UOL News, o colunista Leonardo Sakamoto classificou como questionável a estratégia do ex-ministro Ciro Gomes (PDT) em atacar a ex-presidente Dilma Rousseff (PT) às vésperas das eleições de 2022.

Ambos trocaram farpas nas redes sociais hoje após o ex-governador do Ceará afirmar, em entrevista ao podcast "Estadão Noticias", estar seguro de que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) "conspirou" para a concretização do impeachment de Dilma.

Em resposta, a petista disse que o pedetista estaria "tentando de todas as formas reagir à sua baixa aprovação" e, mais tarde, o comparou ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

Para Sakamoto, as declarações de Ciro Gomes visam o seu posicionamento como a "terceira via" para o pleito do ano que vem. "A menos que ele saiba de alguma coisa que a gente não sabe, é meio duvidoso o que ele está fazendo", avaliou. "Ele está tentando atirar em Lula e no PT para se firmar como nome antipetista e de oposição ao partido."

O colunista disse que o pedetista sabe que não vai conseguir tirar Lula do segundo turno das eleições, por isso, ele mira em "ocupar o lugar" que hoje é de Bolsonaro no segundo turno.

"Ele está tentando mostrar, assim como outros candidatos, que é o melhor nome para enfrentar Lula e desde já tenta tirar votos", analisou. "O problema é que Ciro Gomes está à esquerda de outros pretendentes da chamada terceira via: João Doria, Eduardo Leite, Mandetta e Datena."

Sakamoto explicou que, apesar de tentar um descolamento de partidos de esquerda, para muitos eleitores de direita a estratégia de Gomes não funciona. "Ou seja, ele está numa situação bastante complicada e precisa atacar."

"É um tanto quanto questionável, não sabemos quanto essa estratégia vai funcionar. Num hipotético segundo turno ano que vem entre Lula e Bolsonaro, quem é que Ciro Gomes vai apoiar?", questiona o jornalista.

Política