PUBLICIDADE
Topo

Política

Conteúdo publicado há
1 mês

Alvaro Dias diz que abriu mão de candidatura a presidente em prol de Moro

Alvaro Dias diz que espera resposta de Moro sobre candidatura à presidência até novembro - Pedro Ladeira/Folhapress
Alvaro Dias diz que espera resposta de Moro sobre candidatura à presidência até novembro Imagem: Pedro Ladeira/Folhapress

Do UOL, em São Paulo

16/10/2021 12h19

O senador Alvaro Dias (Podemos-PR) disse, em entrevista publicada hoje pelo site O Antagonista, que decidiu abrir mão da concorrer à presidência com antecedência para facilitar a decisão do ex-juiz Sergio Moro sobre uma eventual candidatura para as eleições de 2022.

Dias se candidatou ao cargo em 2018, terminando na nona colocação com 859.601. Líder do Podemos, agora ele trabalha para viabilizar a candidatura de Moro, que recebeu convite do partido e deve responder até novembro se disputará as eleições de 2022.

"O compromisso dele [Moro] conosco é de dar uma resposta oficial e definitiva em novembro. Eu antecipei a minha decisão até como forma de facilitar a decisão dele, para retirar qualquer constrangimento no interior do partido", disse.

"Se ficasse no ar alguma possibilidade da minha candidatura, certamente isso seria motivo de algum constrangimento. Por isso me antecipei: para facilitar essa definição dele, assim que chegar o mês de novembro", completou.

Segundo Dias, a decisão de não se colocar como candidato à presidência também está relacionada a uma leitura diferente do cenário eleitoral em comparação a 2018.

"Anunciei que não serei candidato ao Planalto como uma manifestação de gratidão aos que me estimularam a disputar de novo. Em 2018, foi uma eleição atípica. Agora, cabe a mim fazer a avaliação correta de minhas próprias possibilidades. E o que defendo é uma convergência em torno de um projeto estratégico de desenvolvimento econômico e social para o país. É preciso pensar em um projeto de nação", disse.

Entusiasta de uma chamada "terceira via", ele disse que defende um candidato como maior potencial de votos para derrotar Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e Jair Bolsonaro (sem partido).

"A Terceira Via vai precisar ter alguém com mais potencial de voto, mais popularidade, mais apoio dos meios de comunicação. E a avaliação que faço é a de que, neste momento, eu não reúno essas condições", disse.

Na parte final de seu mandato como senador, Dias disse que a disputa da reeleição ao cargo em 2022 é hoje a sua "maior possibilidade de candidatura". Ele preferiu não dizer se poderia abrir mão desta intenção caso Moro desejar buscar uma vaga no Senado.

"Eu não posso responder com base em hipótese. Se ele [Moro] desejar a vaga ao Senado, aí eu responderei a essa pergunta. Agora, seria uma resposta muito frágil", disse.

Política