PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
1 mês

Randolfe pedirá o indiciamento de mais 9 nomes no relatório da CPI da Covid

22.jun.2021 - O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) durante sessão da CPI da Covid, da qual é vice-presidente - Wallace Martins/Futura Press/Estadão Conteúdo
22.jun.2021 - O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) durante sessão da CPI da Covid, da qual é vice-presidente Imagem: Wallace Martins/Futura Press/Estadão Conteúdo

Do UOL, em São Paulo

22/10/2021 10h15Atualizada em 22/10/2021 11h49

O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) afirmou que irá pedir o indiciamento de mais nove nomes junto ao relatório final da CPI da Covid, no Senado Federal.

O relatório da CPI da Covid, apresentado na quarta-feira (20) pelo senador e relator Renan Calheiros (MDB-AL), indicia 66 pessoas no total, entre integrantes e ex-integrantes do governo, políticos, médicos e pesquisadores, influenciadores digitais, empresários, executivos e lobistas de empresas. Duas empresas também foram indiciadas. Leia o relatório completo da CPI.

Os novos nomes foram revelados pelo vice-presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito à GloboNews. São eles:

  • Heitor Freire de Abreu (Ex-coordenador do centro de coordenação de operações da covid-19) - indiciamento por crime de epidemia e crime contra a humanidade
  • Marcelo Bento Pires (Assessor do Ministério da Saúde)
  • Alex Leal Marinho (Atuação no caso Precisa/Covaxin) - indiciamento por crime de advocacia administrativa
  • Thiago Fernandes da Costa (Atuação no caso Precisa/Covaxin) - indiciamento por crime de advocacia administrativa
  • Regina Célia Oliveira (Atuação no caso Precisa/Covaxin) - indiciamento por crime de advocacia administrativa
  • Amilton Gomes de Paula (Caso Davati) - indiciamento por crime de estelionato
  • Hélio Angotti Neto (Ex-secretário de Ciência, Tecnologia, Inovação e Insumos Estratégicos do Ministério da Saúde) - indiciamento por crime de epidemiologia
  • Coronel Hélcio Bruno de Almeida - (Atuou no esquema das vacinas e dirigia o Instituto Força Brasil com propagação de notícias falsas) - indiciamento por incitação ao crime e estelionato
  • José Alves (Executivo da Vitamedic) - indiciamento por incitação ao crime, em razão da disseminação de Fake News

Segundo o senador, a decisão de incluir os nove nomes no relatório final da comissão ocorreu após um "pente-fino" das 58 oitivas e 62 reuniões feitas durante a CPI.

"Então, recapitulando cada uma das reuniões e confrontando com o relatório, nós entendemos por bem a necessidade dessas inclusões", explicou o parlamentar.

Randolfe explicou que a CPI terminará na terça-feira (26) e na quarta-feira (27) a Frente Parlamentar Observatório da Pandemia iniciará os trabalhos.

Segundo o senador, às 11h30 da quarta-feira, parlamentares de oposição — que fazem parte do campo majoritário da CPI — levarão o relatório votado da comissão ao Procurador-Geral da República, Augusto Aras, em audiência.

Relatório da CPI

A CPI da Covid realizará na próxima terça-feira (26) a votação do relatório apresentado pelo senador Renan Calheiros (MDB-AL). Antes de votarem, os senadores vão discutir o conteúdo do documento, e o texto final poderá sofrer alterações com base em sugestões feitas a Renan ao longo desta semana.

O relatório aponta o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) como um dos principais responsáveis pelo agravamento da pandemia no Brasil e recomenda que ele seja responsabilizado por nove crimes. Entre as imputações ao chefe do Executivo estão delitos comuns, que têm pena de prisão e/ou multa, crimes contra a humanidade e crimes de responsabilidade, que podem resultar em impeachment, em última instância.

Para ser aprovado, o documento precisa receber o apoio da maioria dos 11 membros titulares do colegiado (6 votos). Integram a comissão sete senadores de oposição ao governo Bolsonaro ou independentes (o chamado G-7, grupo que deve votar a favor do parecer e contra os interesses do presidente) e quatro parlamentes da base governista.

Desde quarta-feira, após ter sido concluída a leitura do relatório de Renan, iniciou-se o período de "vista" — uma semana na qual os senadores analisarão mais detalhadamente o material. Na próxima terça, a audiência deve começar já com a fase de discussões, de acordo com o rito aprovado pela Mesa Diretora da CPI.

Cada parlamentar terá um prazo de 15 minutos para expor a sua linha de raciocínio, contestar pontos do relatório e/ou sugerir adaptações ou modificações no texto. As sugestões passam pelo crivo do relator, que pode considerá-las ou não em sua redação final do relatório.

*Com informações de Hanrrikson de Andrade e Luciana Amaral, do UOL, em Brasília

A CPI da Covid foi criada no Senado após determinação do Supremo. A comissão, formada por 11 senadores (maioria é independente ou de oposição), investiga ações e omissões do governo Bolsonaro na pandemia do coronavírus e repasses federais a estados e municípios. Tem prazo inicial (prorrogável) de 90 dias. Seu relatório final será enviado ao Ministério Público para eventuais criminalizações.