PUBLICIDADE
Topo

Política

Bolsonaro diz que acordo com PL inclui candidatura de Tarcísio em São Paulo

Ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, ao lado do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) - Alan Santos/PR
Ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, ao lado do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) Imagem: Alan Santos/PR

Do UOL, em São Paulo

24/11/2021 22h58

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse hoje que o acordo de sua filiação com o PL envolveu a indicação de apoio à candidatura do ministro de Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, ao governo do estado de São Paulo, no pleito do ano que vem.

"Tenho uma relação muito boa com o Valdemar [Costa Neto]. Não conversei com o Valdemar por telefone, não houve troca de acusações, nenhuma, zero. Só houve troca de 'zap' [mensagens, via WhatsApp]. Decidimos não me filiar no [último dia] 22, porque faltava a a gente acertar meia dúzia de estados, dentre eles, São Paulo. E o Valdemar tem lá uma negociação com o vice do Doria [Rodrigo Garcia, pré-candidato do PSDB ao Palácio dos Bandeirantes]", iniciou Bolsonaro, durante entrevista ao canal ISTV, de Guarujá (SP).

O PL integra a base do governador de São Paulo, João Doria (PSDB), e havia se comprometido a apoiar Garcia na disputa pela sua sucessão, em 2022.

"Eu falei 'Valdemar, o estado que tem maior densidade eleitoral do país...' Eu tenho um possível candidato a governador por São Paulo, que está fora desse espectro. Eu falei 'se a gente não acertar isso daí, esse casamento [filiação] não vai dar certo'. Então ficou a indicação de um nome nosso para o governo de São Paulo", acrescentou.

O repórter então quis saber se esse candidato seria o ministro Tarcísio. "Parece que é ele. Parece que você acertou o nome", respondeu, rindo.

O evento de filiação ao PL acontece a partir das 10h30, nas dependências do Complexo 21, em Brasília. O acerto ocorreu ontem após reunião entre Bolsonaro e Valdemar Costa Neto.

Antes disso, no entanto, Bolsonaro e o presidente nacional do partido haviam tido "uma acalorada troca de mensagens".

Histórico de conflitos

Desde que deixou o PSL, em 2019, após desentendimentos com a cúpula da sigla, Bolsonaro tentou criar o Aliança Pelo Brasil, mas o projeto acabou não saindo do papel a tempo. Bolsonaro também chegou a discutir seu retorno ao Progressistas (PP), partido do ministro da Casa Civil, Ciro Nogueira, pelo qual Bolsonaro foi deputado de 2005 a 2016.

"Tentei e estou tentando um partido que eu possa chamar de meu e possa, realmente, se for disputar a Presidência, ter o domínio do partido. O PP passa a ser uma possibilidade de filiação nossa", relatou o presidente em julho.

Para evitar brigas entre partidos aliados ao seu governo, Bolsonaro informou Ciro Nogueira de sua decisão de se filiar ao PL antes de dar o "sim" a Valdemar Costa Neto.

Política