PUBLICIDADE
Topo

Política

Conteúdo publicado há
1 mês

Bolsonaro grava vídeo a evangélicos pedindo apoio para sabatina de Mendonça

Colaboração para o UOL, em Brasília

29/11/2021 18h08

Em um vídeo distribuído no WhatsApp e em outras redes sociais do pastor Silas Malafaia, da Assembleia de Deus Vitória em Cristo, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) aparece gravando uma mensagem pedindo apoio para a sabatina de André Mendonça.

O advogado foi indicado por Bolsonaro para ocupar uma vaga no STF (Supremo Tribunal Federal). "Chegou a hora. Em menos de 48 horas, se Deus quiser, o nome de André Mendonça será sabatinado no Senado Federal. Espero, obviamente, que seja aprovado e tenhamos um representante de todos nós", disse o presidente para uma câmera. Enquanto realizava sua fala, Mendonça estava ao lado dele.

"André, boa sorte. Senhores senadores, espero de coração que aprovem o nome dele. Obviamente, será sabatinado. Ao ser aprovado, teremos um representante à altura dos interesses da nossa nação", completou Bolsonaro.

"Alguém tem alguma dúvida do apoio de Bolsonaro a André Mendonça para o STF?", falou Malafaia ao postar o momento no Twitter.

Mendonça já serviu duas vezes no governo de Bolsonaro, primeiro como advogado Geral da União e, depois, foi ministro da Justiça.

Demora

A indicação do advogado foi publicada no Diário Oficial da União em 13 de julho e protocolada oficialmente no Senado em 3 de agosto. O documento chegou formalmente à CCJ no dia 19 de agosto. No entanto, marcar a sabatina levou quase 100 dias e, por fim, ela foi agendada para quarta-feira (1º/12).

A demora causou rumores de que haveria preferência por Augusto Aras, atual procurador-geral da República, para o cargo no STF, especialmente pelo chefe da CCJ, Davi Alcolumbre (DEM-AP).

Caso Mendonça seja aprovado, a previsão é que a cerimônia de posse seja realizada até 17 de dezembro, último dia das atividades da Corte neste ano. Depois disso, haverá recesso e o tribunal funcionará em regime de plantão. O presidente do STF, Luiz Fux, julgará apenas casos urgentes.

Política