PUBLICIDADE
Topo

Política

Em espaço fechado, cerimônia tem aglomeração de autoridades e apoiadores

Luma Poletti

Colaboração para o UOL, em Brasília

30/11/2021 12h41Atualizada em 30/11/2021 13h48

A cerimônia de filiação do presidente Jair Bolsonaro ao PL na manhã de hoje foi marcada por aglomerações, gritos de "mito" e restrições de circulação da imprensa em um centro de convenções em Brasília.

Jornalistas, assessores parlamentares e simpatizantes de Bolsonaro se aglomeraram em um salão do Complexo Brasil 21, que servia de antessala para o auditório onde ocorreu a filiação.

Os repórteres tiveram que acompanhar a cerimônia por meio de um telão, pois a entrada no auditório foi restrita a convidados e autoridades — a maioria dos presentes estava de máscara e não foi pedido comprovante de vacinação. Segundo a assessoria do PL. o evento reuniu entre 300 e 350 pessoas.

Ministros e parlamentares que passavam pelo salão eram ovacionados pelo público, que se aglomerava ao redor para fazer fotos e transmissões ao vivo. Os ministros Paulo Guedes (Economia) e Tarcísio Gomes de Freitas (Infraestrutura) passaram pela multidão sem falar com a imprensa. Tarcísio foi saudado de maneira efusiva como "futuro governador de São Paulo" pelos apoiadores presentes. Ele, no entanto, não se filiou ao partido na cerimônia.

A ministra Flávia Arruda (Secretaria de Governo), já filiada ao PL, mobilizou grande quantidade dos apoiadores presentes, que vestiam camisas com seu nome. Ela também foi ovacionada pelo público reunido no salão. Também participaram da cerimônia os ministros Ciro Nogueira (Casa Civil), Marcelo Queiroga (Saúde), João Roma (Cidadania), Marcos Pontes (Ciência e Tecnologia), Bento Albuquerque (Minas e Energia), Fabio Faria (Comunicações), Milton Ribeiro (Educação), Tereza Cristina (Agricultura), Anderson Torres (Justiça) e Rogério Marinho (Desenvolvimento Regional).

Oportunidade de vendas

Entre os apoiadores estava José Wilson Silva, que tem 49 anos e é morador de Brasília. Ele veio ao evento e aproveitou a ocasião para vender livros sobre o presidente ("O Mito - Os Bastidores do Alvorada", de autoria de Comandante Winston e Emílio Kerber, editora Cafezinho com Pimenta).

"Eu trabalho com produtos do nosso presidente, camiseta bandeiras, e agora com o livro. Os produtos são sempre bem-vindos". Ele afirma que conseguiu vender exemplares durante o evento, mas não especificou a quantidade. Cada livro era vendido por R$ 50.

Questionado sobre o que ele achava sobre a filiação de Bolsonaro ao seu nono partido, ele diz aprovar. "Acho positivo, eu ate pensei em criar o meu partido mas não deu tempo, senão colocava ele no meu partido", brinca.

Apesar do ambiente tumultuado, calor e aglomeração, Pollyana Vieira Alves, 34, também Brasília, trouxe os dois filhos, de 3 e 6 anos de idade para o evento. Ela conta que começou a se interessar por política por influência do irmão, que faz parte do grupo de jovens do PL. "Depois do presidente a gente começou a gostar ainda mais de politica e, desde pequenos, eu estou trazendo meus filhos para que tenham interesse pela política, para fazer um país muito melhor no futuro", afirma.

Para ela, a filiação de Bolsonaro ao PL é positiva: "Eu acho excelente, o presidente Bolsonaro tem feito um excelente trabalho e o PL é um partido maravilhoso".

Do lado de fora, um trio elétrico com percussionistas animava a chegada dos apoiadores, que ainda era tímida pouco antes do início da cerimônia.

"Muito obrigado a vocês pela confiança, pelo apoio, pela consideração, momento formal da filiação que nos coloca agora num time para levar a política a frente por ocasião das eleições do ano que vem", disse o presidente.

Política