PUBLICIDADE
Topo

Bolsonaro volta a atacar ministros do STF: 'Quem eles pensam que são?'

O presidente Jair Bolsonaro em transmissão ao vivo nas redes sociais - Reprodução
O presidente Jair Bolsonaro em transmissão ao vivo nas redes sociais Imagem: Reprodução

Do UOL, em Brasília*

12/01/2022 11h54Atualizada em 12/01/2022 15h39

O presidente Jair Bolsonaro (PL) voltou hoje a criticar os ministros do STF (Supremo Tribunal Federal) Alexandre de Moraes e Luís Roberto Barroso.

Desde o ano passado, o governante protagoniza um embate público com os membros da Corte por conta de divergências. No auge do conflito institucional, em setembro de 2021, o chefe do Executivo federal chegou a dizer que poderia romper relações com a cúpula do Judiciário.

"Quem é que esses dois pensam que são?", questionou Bolsonaro, em entrevista concedida na manhã de hoje ao canal Gazeta Brasil (SP).

Bolsonaro contesta publicamente decisões dos ministros relacionadas a processos envolvendo denúncias de fake news, crimes de ódio, calúnias, difamações, entre outros.

"Vão tomar medidas drásticas dessa forma, ameaçando, cassando liberdades democráticas nossas, a liberdade de expressão."

"Porque eles não querem assim, porque eles têm candidato. Os dois, nós sabemos, são defensores do Lula, querem o Lula presidente", completou o presidente.

A menção ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva se deve ao fato de que o petista deve ser adversário do atual governante na corrida eleitoral pelo Palácio do Planalto, em outubro desse ano.

Barroso atualmente preside o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) e Moraes —que comandará a Corte eleitoral em outubro— é o responsável por conduzir no STF investigações sensíveis contra Bolsonaro e seus aliados.

O presidente da República citou o fato de Moraes ter dito, durante julgamento ano passado sobre a chapa encabeçada por Bolsonaro há quatro anos, no TSE, que houve fake news em 2018 e alertado que, se isso ocorrer novamente em 2022, vai cassar a chapa e prender o candidato.

Atacou Barroso também por ter, entre outras acusações, defendido quando advogado o italiano Cesare Battisti e também conduzido no TSE o julgamento que cassou por divulgação de notícia falsa o mandato do deputado estadual bolsonarista pelo Paraná Fernando Francischini (PSL), que apontou suposta falha na urna eletrônica na contabilidade de votos para Bolsonaro nas eleições passadas.

Procurada, a assessoria de imprensa do STF afirmou que Barroso e Moraes não vão comentar a fala de Bolsonaro.

O presidente afirmou também que os dois ministros têm atuado fora das quatro linhas da Constituição e disse que vencer a eleição "na mão grande" não pode prosperar.

Nos últimos dias, após uma trégua de meses, Bolsonaro voltou à carga em ataques aos dois ministros e também ao Supremo. Na entrevista ao site, ele voltou a afirmar que o STF toma decisões majoritariamente contra os interesses de seu governo.

*Com informações da Reuters

O governo Bolsonaro teve início em 1º de janeiro de 2019, com a posse do presidente Jair Bolsonaro (então no PSL) e de seu vice-presidente, o general Hamilton Mourão (PRTB). Ao longo de seu mandato, Bolsonaro saiu do PSL e ficou sem partido. Os ministérios contam com alta participação de militares. Bolsonaro coloca seu alinhamento político à direita e entre os conservadores nos costumes.