PUBLICIDADE
Topo

Política

Conteúdo publicado há
3 meses

Motociata vira palanque, e Bolsonaro ataca WhatsApp e ministros do TSE

Hanrrikson de Andrade

Do UOL, em Brasília*

15/04/2022 10h35Atualizada em 15/04/2022 15h34

Em ritmo de campanha eleitoral, o presidente e pré-candidato à reeleição, Jair Bolsonaro (PL), montou palanque hoje na cidade de Americana, no interior de São Paulo, e fez um discurso inflamado para centenas de motociclistas que o acompanharam em mais uma motociata.

Ele atacou o PT, disse ser chefe do Executivo federal "por uma missão de Deus" e fez ataques ao WhatsApp e a ministros do TSE (Tribunal Superior Eleitoral). Em outro momento, apoiadores de Bolsonaro gritaram palavras de ordem contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), seu principal oponente na disputa.

Bolsonaro expôs a sua insatisfação com um acordo costurado entre a Corte eleitoral e o aplicativo de mensagens para que uma nova funcionalidade do WhatsApp, que permite a criação de comunidades com milhares de pessoas, só seja implementada no Brasil após a conclusão das eleições, em outubro.

O objetivo do TSE seria frear a disseminação de notícias falsas, mensagens de ódio e outros conteúdos que possam configurar crimes.

"Adianto para vocês, o que eu tomei conhecimento nessa manhã. É simplesmente algo inaceitável, inadmissível e inconcebível. O WhatsApp passa a ter uma nova política para o mundo, mas uma especial respectiva para o Brasil. Isso após um acordo com três ministros do Tribunal Superior Eleitoral", disse o presidente.

Cerceamento, censura, discriminação... Isso não existe. Ninguém tira o direito de vocês."
Jair Bolsonaro

Durante o trajeto até Americana (o comboio de motociclistas saiu da cidade de São Paulo e percorreu cerca de 120 km), Bolsonaro já havia feito críticas ao WhatsApp nas mesmas circunstâncias e pelo mesmo motivo.

O presidente chegou a dizer que o acordo com o TSE não será cumprido, porém não explicou como o governo federal poderia efetivamente interferir na questão. O Tribunal é independente para ditar as regras da eleição e não necessita de autorização do Executivo.

"(...) Isso que o WhatsApp está fazendo no mundo todo... Sem problema. Agora, abrir uma excepcionalidade para o Brasil? Isso é inadmissível, inaceitável e não vai ser cumprido esse acordo que por ventura eles tenham feito com o Brasil, com informações que eu tenho até o presente momento."

No discurso, Bolsonaro ponderou que é "obrigado a jogar dentro das quatro linhas" [da Constituição] e deu a entender que não estaria disposto a partir para uma ruptura institucional. "Se do lado de lá vale tudo, do lado de cá, não é assim."

Para especialista em direito eleitoral ouvido pelo UOL e partidos de oposição, a motociata, que contou com a presença do ex-ministro da Infraestrutura Tarcísio Gomes de Freitas, pré-candidato ao governo de São Paulo pelo Republicanos, pode ser considerada campanha eleitoral antecipada. Procurada, a Presidência da República não se manifestou.

15.abr.2022 - Jair Bolsonaro participa de motociata em rodovia de SP - Reprodução/Redes Sociais - Reprodução/Redes Sociais
15.abr.2022 - Jair Bolsonaro participa de motociata em rodovia de SP
Imagem: Reprodução/Redes Sociais

Rodovia interditada e pontos de lentidão

Em razão da motociata de hoje (termo que tem sido utilizado em referência a esse tipo de manifestação), parte da Rodovia dos Bandeirantes foi interditada para a passagem de centenas de motociclistas gerando pontos de lentidão na saída do feriado prolongado de Páscoa —por volta das 13h40, a via já estava completamente liberada.

O comboio partiu da capital paulista, entre 10h e 10h30. O pré-candidato à reeleição chegou à concentração no Anhembi, na zona norte da capital paulista, e encontrou o grupo perto da praça Campo de Bagatelle.

Cerca de três horas depois, por volta de 13h20, Bolsonaro foi recepcionado por centenas de pessoas em Americana.

Durante o trajeto, Bolsonaro parou ao menos três vezes para fazer lives em suas redes sociais e tirar fotos com motociclistas apoiadores.

"Uma participação fantástica. Demonstra que a população quer democracia, liberdade, respeito, transparência... Que o ideal seja a legalidade. Então, está de parabéns aqui o povo de São Paulo", declarou ele durante a transmissão ao vivo.

Só as imagens podem mostrar. Vale mais do que 1 milhão de palavras. A atenção por um Brasil realmente livre, próspero e com liberdade total. Não é apenas de ir e vir. É liberdade de opinião, de expressão, de credo... É esse o Brasil que nós queremos. E, por isso, eu dou a minha vida
Jair Bolsonaro

Na chegada ao ato, Bolsonaro e Tarcísio tiraram fotos com a militância.

Segundo a SSP (Secretaria de Segurança Pública), o reforço do policiamento contou com efetivo de mais de 1.900 policiais militares e resultará em um custo de R$ 1 milhão aos cofres do estado.

Tanto a secretaria quanto a concessionária responsável pela rodovia informaram que não divulgarão estimativa de público.

Em junho do ano passado, os gastos da primeira motociata na capital paulista chegaram a R$ 1,2 milhão com a participação de 1.433 policiais, cinco aeronaves, dez drones e aproximadamente 600 viaturas, também de acordo com a Secretaria de Segurança Pública.

Em outra motociata realizada no estado no ano passado, na cidade de Presidente Prudente, os custos foram superiores a R$ 300 mil. O efetivo foi reforçado com 450 policiais militares, drones e um helicóptero.

Selfies

No decorrer do trajeto, Bolsonaro parou em um dos pontos da rodovia para uma sessão de fotos com apoiadores.

Às margens da rodovia dos Bandeirantes, centenas de fãs e eleitores bolsonaristas se aglomeram para acompanhar a passagem das motos. Grades foram instaladas a fim de delimitar o espaçamento.

Segundo reportagem do Estadão Conteúdo, a motociata conta com uma área VIP, que seria destinada a participantes que pagaram uma taxa de inscrição de R$ 10. O motoqueiro que desembolsou a quantia tem direito a ficar nos pelotões frontais do ato, ou seja, mais perto de Bolsonaro.

Bolsonaro motociata - Reprodução/Redes Sociais - Reprodução/Redes Sociais
Motociata em apoio ao governo do presidente Jair Bolsonaro
Imagem: Reprodução/Redes Sociais

Essa é a segunda edição do "Acelera para Cristo". No ano passado, Bolsonaro também participou do evento.

Bolsonaro já acompanhou motociatas em Brasília, Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Goiás, Santa Catarina, Pernambuco, Paraná, Rio de Janeiro e São Paulo.

A primeira presença do presidente nesse tipo de evento ocorreu em maio de 2021 na capital federal. Depois, seguiram-se diversas ocasiões.

Ele já aproveitou esses episódios para fazer ataques às urnas eletrônicas, às vacinas contra a covid e aos ministros do TSE e STF, além de já ter sido multado por não usar máscara e cometido infração por usar capacete irregular.

*Com informações do Estadão Conteúdo

Política