PUBLICIDADE
Topo

Política

Conteúdo publicado há
1 mês

Bolsonaro tem acesso a informes de inteligência da PF, diz assessor

O presidente Jair Bolsonaro e o assessor Filipe G. Martins.  - Reprodução
O presidente Jair Bolsonaro e o assessor Filipe G. Martins. Imagem: Reprodução

Do UOL, em São Paulo

02/07/2022 20h54

O assessor especial para Assuntos Internacionais da Presidência da República, Filipe Martins, afirmou que o presidente Jair Bolsonaro (PL) tem acesso a documentos de inteligência da PF (Polícia Federal), que, em tese, seriam sigilosos. A declaração do assessor, feita durante entrevista ao canal Cara a Tapa, no YouTube, ocorre em meio a suspeitas de interferências de Bolsonaro na corporação.

Na conversa, Martins foi questionado pelo apresentador, o jornalista Rica Perrone, sobre quais atitudes Bolsonaro teria tomado em relação a outros países e que ele não concordava.

Eu, como assessor, tendo a manifestar minhas discordâncias internamente. Acho que é descortês e deselegante eu vir aqui e dizer: 'não, naquele episódio eu disse isso. E foi feito aquilo'. Uma vez que ele fechou questão, o meu papel também é fazer com que a posição dele dê certo. Ele é o cara que tem a visão de conjunto tem informações que eu não tenho. Eu acompanho tema ali, mas ele está falando com os militares de uma forma que eu não estou. Ele está recebendo informe de inteligência da Abin [Agência Brasileira de Inteligência] e da Polícia Federal de uma forma que eu não estou. Filipe Martins, em declaração ao canal 'Cara a Tapa', no YouTube

Após a fala, o UOL procurou a PF para saber a natureza dos informes supostamente enviados ao presidente. A reportagem também entrou em contato com a assessoria da Presidência da República. Caso haja retorno, a reportagem será atualizada.

Martins integrou o núcleo da transição do governo Bolsonaro no grupo do ex-chanceler Ernesto Araújo e foi um dos responsáveis pela aproximação da ala ideológica do governo a Steve Bannon, o ex-estrategista de Donald Trump. Ele é considerado uma das pessoas mais próximas a Bolsonaro.

Recentemente, o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) protocolou o pedido ao STF para que Bolsonaro seja investigado por suposta interferência na Polícia Federal.

Isso ocorreu após a divulgação de uma conversa do ex-ministro da Educação Milton Ribeiro e a filha, na qual ele dá a entender que foi avisado pelo presidente que sua casa seria alvo de uma busca e apreensão. A conversa com a filha teria sido registrada no dia 9 de junho —ou 13 dias antes da operação.

Dois anos atrás, o ex-ministro Sergio Moro falou sobre a exoneração do então diretor-geral da PF, Maurício Leite Valeixo, dizendo que "houve essa insistência" da parte de Bolsonaro para trocar a liderança da corporação.

Política