PUBLICIDADE
Topo

Política

Candidato do PT no Ceará exalta governadora e diz que PDT 'quis impor nome'

Pedro Vilas Boas e Matheus Mattos

Colaboração para o UOL

05/08/2022 10h27Atualizada em 05/08/2022 13h36

O candidato Elmano Freitas ao governo do Ceará pelo PT exaltou a governadora Izolda Cela (ex-PDT e agora sem partido) durante sabatina UOL/Folha realizada hoje, e disse que o PDT foi "insensível" ao lançar o nome de Roberto Cláudio. "O PDT queria impor o nome, e nós achamos que não devia ser esse o caminho."

A governadora assumiu o estado do Ceará com a saída de Camilo Santana, que se candidatou para o Senado. Ainda não foi definido o vice de Freitas na chapa.

"Izolda é absolutamente pronta para ser a governadora. Nós queríamos eleger a primeira mulher [governadora no Ceará]. Nós, evidentemente, não concordamos com isso [com a candidatura do Roberto Cláudio] e o nosso nome saiu."

"O PT, junto com outros partidos aliados, várias vezes comunicou que o nome que unificaria nossa aliança era o nome da governadora Izolda. O PDT fez uma decisão de romper a aliança no Ceará querendo impor um nome que pela nossa experiência política não pudemos concordar", afirmou.

A escolha do ex-prefeito de Fortaleza Roberto Cláudio (PDT) para concorrer ao governo do Ceará causou, pela primeira vez, uma separação entre os irmãos Ciro Gomes (PDT), pré-candidato ao Planalto, Cid Gomes (PDT-CE), que é senador, e Ivo Gomes (PDT), prefeito de Sobral (CE), berço da família.

Não tenho menor dúvida de que nossa governadora é um dos maiores quadros públicos do país. O PDT foi absolutamente insensível em não reconhecer o trabalho dessa mulher e querer impor um nome."
Elmano de Freitas (PT), candidato ao governo do Ceará

Mas viu um possível cargo para ela no governo em caso de vitória de Lula: "Não tenho nenhuma dúvida de que a governadora Izolda tem condição de ser uma grande ministra da Educação do nosso país. Quem fez o Ceará sair dos índices mais frágeis da educação e transformar esse estado tem todas as condições de ser uma grande ministra da Educação", afirmou. Freitas disse que Lula não falou sobre isso com ele. "Mas eu já falei para ele."

Ele disse que esse racha entre PT e PDT não beneficiou o candidato da oposição, Capitão Wagner (União Brasil), apontando que vê a diminuição das intenções de votos nas pesquisas desde que anunciou seu nome para a disputa. Wagner, contudo, continua liderando os levantamentos.

"Vamos derrotar o capitão de Brasília e vamos derrotar o capitão do Ceará", afirmou, se referindo a Jair Bolsonaro (PL) e Capitão Wagner. "Se depender do cearense, o Lula vai ser eleito no primeiro turno. É um povo muito grato aos governos do PT."

Também minimizou o fato de já ter perdido duas eleições municipais. "Camilo [Santana] também perdeu. E depois foi eleito governador e reeleito com a maior votação do país na eleição de 2018."

"Aprendi que é importante ter convicções das ideias, é saber o que quero fazer pelo Ceará", disse ao reafirmar posição favorável às escolas integrais.

Ele também aproveitou o final da entrevista para criticar Roberto Cláudio. "Arrogância é algo muito ruim. Ele tinha muitos aliados como prefeito e depois perdeu."

"Além disso, ele era um prefeito numa eleição que tinha [Fernando] Haddad [PT] e Bolsonaro, e ele cruzou os braços. Como alguém prefeito da quinta capital do país, em uma disputa de Haddad contra Bolsonaro, acha que é tudo igual?", criticou, citando que ele deveria ter feito a defesa da democracia.

A sabatina foi conduzida por Fabíola Cidral e pelos jornalistas Carlos Madeiro, do UOL, e João Pedro Pitombo, da Folha de S. Paulo.

O que diz a pesquisa mais recente

Segundo levantamento do Paraná Pesquisas de julho, Capitão Wagner tem 44,5% das intenções de voto, contra 29,2% de Roberto Cláudio. Adelita Monteiro tem 3,5%. A pesquisa foi feita antes de o PT anunciar que teria pré-candidato próprio.

As 1.540 entrevistas foram feitas presencialmente com eleitores com 16 anos ou mais em 58 municípios entre os dias 11 e 15 de julho e registrada no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) sob o número CE-05080/2022. A margem de erro é de 2,5 pontos percentuais, com índice de confiança de 95%. Custou R$ 30 mil, pagos com recursos do próprio instituto.

Brancos, nulos e aqueles que disseram que não irão votar em nenhum dos candidatos somam 15,8%, e aqueles que não souberam ou não responderam totalizaram 6,2%.

Calendário de sabatinas no Ceará

  • 08/08 - 10h - Roberto Cláudio (PDT)
  • 10/08 - 10h - Capitão Wagner (União Brasil)

Política