Conteúdo publicado há 10 meses

Membros do MBL são suspeitos de agredir alunos e funcionária na UFPR

Um grupo de oito pessoas entrou em um dos prédios da reitoria da UFPR (Universidade Federal do Paraná) em Curitiba e agrediu alunos e uma funcionária terceirizada. Eles diziam ser membros do MBL.

O que se sabe?

O caso aconteceu nesta sexta-feira (1) e provocou reação imediata da universidade, que se manifestou no perfil oficial da instituição, repudiando o que aconteceu.

Segundo a universidade, o grupo, liderado por Gabriel Costenaro e Matheus Faustino, ingressou em uma das sedes da reitoria e começou a registrar imagens e vídeos no 6º andar.

Os vigilantes tentaram intervir e informaram que filmagens e fotografias nas instalações da UFPR requerem autorização prévia.

"Nesse momento, uma trabalhadora terceirizada, ao notar a movimentação na sala, se aproximou para entender o que estava acontecendo e foi agredida, com um soco no estômago", diz a universidade.

Depois, dentro do Centro Acadêmico, um dos supostos membros do MBL, mais exaltado, espirrou spray de pimenta nos olhos de um estudante que exigia a saída deles do local.

"Nesse ponto, um grupo de alunos, ao término de uma aula, em frente à sala, se manifestou invocando a LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais) e se recusou a permitir o uso de suas imagens". Apesar disso, os supostos membros do MBL continuaram a filmar e fotografar, "gerando um aumento das tensões".

Ainda segundo a UFRP, a situação ficou ainda mais tensa quando o grupo desceu pelas rampas e o conflito chegou à rua, onde uma estudante ficou ferida ao ser empurrada ao chão.

Os estudantes envolvidos prestaram depoimentos e registraram o ocorrido na delegacia.

Continua após a publicidade

A Pró-reitoria de Assuntos Estudantis informou que prestou todo o apoio necessário à trabalhadora terceirizada e à aluna ferida, para registro do Boletim de Ocorrência e realização do exame de corpo de delito.

É de extrema importância ressaltar que a UFPR condena veementemente ações de grupos organizados que buscam promover invasões e confrontos com o objetivo de ganhar notoriedade nas redes sociais. Estamos absolutamente comprometidos com a manutenção de um ambiente de paz, onde todas as vozes podem ser ouvidas e respeitadas. A UFPR reforça que é absolutamente contra qualquer tipo de violência física, verbal ou simbólica. Universidade Federal do Paraná, em post no Instagram.

O outro lado

Em seu perfil no Instagram, que conta com 186 mil seguidores, Gabriel Costenaro escreveu que os estudantes estariam "defendendo o fim da Polícia Militar" e teriam agredido e tentado roubar os equipamentos do grupo.

"Estamos rodando o Brasil mostrando a hipocrisia da esquerda. Nos ajude nessa missão", escreve Costenaro.

Continua após a publicidade

Em outro post, em um vídeo editado, ele chama a atenção dos estudantes por grafites e citações aplicados nas paredes e escreve: "Ser estudante de uma universidade dá o direito para esse cara fazer o que quiser com as paredes? Esse local está tão sujo que parece um lugar abrigando 'cracudos'", afirma, numa referência a usuários de crack.

Já Matheus Faustino, que também se diz membro do MBL e foi citado pela universidade, repostou o vídeo de Costenaro.

O UOL procurou Gabriel Costenaro e Matheus Faustino e também a assessoria de imprensa do MBL via redes sociais, mas até o momento ninguém havia respondido. O espaço segue aberto para futuras manifestações.

A Polícia Civil do Paraná também foi procurada, mas até o momento não havia se manifestado.

Deixe seu comentário

Só para assinantes