Conteúdo publicado há 9 meses

Comissão de Ética aprova quarentena de R$ 41 mil para Ana Moser

O Conselho de Ética da Presidência concedeu à ex-ministra do Esporte Ana Moser quarentena remunerada de pouco mais de R$ 41 mil após avaliar que poderia haver conflito de interesse no retorno dela à iniciativa privada. A decisão foi tomada pelo colegiado nesta quarta-feira (27).

Ao UOL, Ana Moser disse não ter muito que comentar "diante de uma medida que tem que cumprir como ministra"

O que aconteceu

Ana Moser deve passar por quarentena remunerada. Ela continuará recebendo por seis meses o salário que ganhava enquanto ministra, de R$ 41.650,92.

Todos os ex-ocupantes de cargos do alto escalão da administração pública passam por essa mesma análise. "Para evitar o uso de informações privilegiadas em benefício de interesses privados e em detrimento da Administração Pública, a lei impede que essas altas autoridades exerçam determinadas atividades privadas no período de seis meses após deixarem seus cargos públicos. Esse período é conhecido como 'quarentena'", explica o site da Presidência da República.

Paulo Guedes e Marcelo Queiroga, ministros da Economia e da Saúde respectivamente, durante o governo de Jair Bolsonaro (PL) também tiveram de passar por quarentena remunerada.

Ministério do Esporte é chefiado por André Fufuca (PP) desde o último dia 13. A nomeação dele selou a entrada do PP no governo por mais votos no Congresso, após meses de negociação intensa entre o Planalto e os partidos do Centrão.

Ana Moser foi a terceira ministra a deixar o governo Lula. A primeira foi Daniela Carneiro, da pasta do Turismo, e o segundo, o general Gonçalves Dias, do Gabinete de Segurança Institucional.

Ao UOL, a ex-ministra disse que a consulta ao Conselho de Ética era atribuição legal, e que não tem o que comentar diante da decisão. "Não posso compartilhar informações e relações que lidei durante a função", disse.

Deixe seu comentário

Só para assinantes