Conteúdo publicado há 2 meses
OpiniãoPolítica

Josias: Encontro de Doria e Alckmin estimula ideia de política como farsa

A visita de Geraldo Alckmin a João Doria, registrada pelo ex-prefeito de São Paulo em suas redes sociais, transmite à população a mensagem de que a política é uma farsa. A análise é do colunista Josias de Souza, que relembrou, em participação no UOL News desta segunda (4), os embates entre os dois quando integravam o PSDB.

É preciso haver uma compostura. Não houve recomposição pública, ninguém pediu perdão a ninguém. Isso estimula as pessoas a acreditarem que a política é mesmo o território da farsa, e que ela não deve ser levada a sério, muito menos os seus protagonistas. Não ajuda. Esses encontros fortuitos depois de brigas irreconciliáveis não fazem bem à política. Josias de Souza, colunista do UOL

Josias citou alguns exemplos históricos na política nacional nos quais adversários ferrenhos mais tarde posavam como velhos amigos, como Getúlio Vargas e Luís Carlos Prestes. Para o colunista, chega a ser constrangedor o encontro entre Doria e Alckmin, com o reforço de uma imagem negativa de que, na política, tudo é feito na base das conveniências do momento.

Isso é meio desmoralizante e constrangedor. Há limites para tudo. Na política, as pazes se fazem de maneira desconcertante. É o que revela essa cena entre Doria e Alckmin. O Doria ingressou na política partidária pelas mãos do Alckmin que, julgando-se traído, deixou o PSDB por conta das cotoveladas que diz ter recebido. Agora, os dois se encontram como se nada tivesse acontecido. Isso não é novo na política. Josias de Souza, colunista do UOL

Bergamo: Tratamento de Milei a Bolsonaro depende de 'sim' ou 'não' de Lula

O tratamento que Javier Milei dispensará a Jair Bolsonaro dependerá se Lula vai comparecer ou não à sua cerimônia de posse como presidente da Argentina, afirmou a colunista da Folha de S. Paulo Mônica Bergamo. Ela apurou que o petista foi aconselhado a não ir ao evento.

O Bolsonaro será tratado muito de acordo com a decisão do Lula de ir ou não [à posse de Milei]. A prioridade está sendo dada ao Lula, que é o presidente eleito e tem a caneta na mão. Se o Lula decidir ir, Bolsonaro vai para o alto da galeria do Congresso. Se Lula decidir que não vai, pode ser que Bolsonaro consiga um encontro ou algo assim. Mônica Bergamo, colunista da Folha de S.Paulo

O UOL News vai ao ar de segunda a sexta-feira em duas edições: às 10h com apresentação de Fabíola Cidral e às 17h com Diego Sarza. O programa é sempre ao vivo.

Continua após a publicidade

Opinião

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes

As mais lidas agora