Conteúdo publicado há 4 meses

MPF arquiva inquérito contra Torres, Ibaneis e cúpula da PM-DF pelo 8/1

O MPF (Ministério Público Federal) arquivou o inquérito civil contra o governador do DF, Ibaneis Rocha (MDB), o ex-secretário de Segurança Pública do DF Anderson Torres, e a cúpula da Polícia Militar pelos ataques de 8 de janeiro de 2023, em Brasília.

O que aconteceu

Procurador diz que os acusados não agiram com intenção de facilitar as invasões. Os casos foram analisados pelo procurador Carlos Henrique Martins Lima, que afirmou que as condutas deles não tiveram dolo, embora existam apontamentos de falhas dos serviços de inteligência de segurança pública.

Arquivamento também vale para ex-secretário-executivo de segurança e a cúpula da PM do DF. Veja abaixo a lista:

  • Anderson Torres, ex-secretário de Segurança Pública do DF
  • Ibaneis Rocha, governador do DF
  • Fernando de Souza Oliveira, ex-secretário-executivo de Segurança Pública do DF
  • Fábio Augusto Vieira, ex-comandante-geral da PM do DF
  • Jorge Eduardo Barreto Naime, ex-chefe do Departamento Operacional da PM do DF
  • Klepter Rosa Gonçalves, ex-comandante-geral da PM do DF
  • Marília Ferreira de Alencar, ex-subsecretária de Inteligência da Segurança Pública do DF

Para o MPF, os acusados não tiveram "meios suficientes" para prever os ataques. Lima argumenta ainda que teria havido mudança "repentina" no perfil das pessoas que participaram dos atos, e isso não foi identificado antes de Anderson Torres sair de férias.

Defesa de Torres elogiou arquivamento pelo MPF. "A independência funcional e o alto nível técnico do Ministério Público Federal foram decisivos para demonstrar a inocência do ex-ministro Anderson Torres, em relação aos lamentáveis atos do 8 de janeiro", disse o advogado Eumar Novacki, em nota.

Ibaneis disse estar feliz com arquivamento. "Fico feliz que as coisas estão sendo aos poucos esclarecidas", disse o governador do DF ao UOL. "Decisão mais do que justa ante a completa falta de provas incriminatórias e a clara demonstração de sua inocência", acrescentou o advogado Alberto Zacharias Toron, que defende Ibaneis.

Mulher do coronel Naime disse que família está confiante da inocência do militar. "Estamos crendo que a Justiça será restabelecida", disse Mariana Adorno Naime. Segundo ela, o advogados do coronel optaram por não se manifestar nesse momento por uma estratégia de defesa. A reportagem tenta contato com os demais citados.

Torres e Ibaneis ainda são investigados no STF

Ex-secretário ficou preso por quase quatro meses, entre janeiro e maio de 2023. Ele foi acusado de omissão nos atos golpistas de 8 de janeiro. Ex-ministro da Justiça de Jair Bolsonaro (PL), ele era Secretário de Segurança do Distrito Federal no dia dos atentados.

Continua após a publicidade

Torres está usando tornozeleira eletrônica. Ele também cumpre uma série de medidas para responder às acusações das quais é alvo em liberdade provisória. Entre elas estão a proibição de deixar o DF e o recolhimento domiciliar à noite e aos finais de semana.

Ibaneis, por sua vez, foi alvo de mandados de busca e apreensão. Ele também chegou a ser afastado do cargo de governador, mas hoje já voltou à função.

Fábio Augusto Vieira também ainda responde a ações no STF.

Deixe seu comentário

Só para assinantes