Conteúdo publicado há 1 mês

Wellington Dias: Prisão de Bolsonaro deve ser sustentada na lei

O ministro do Desenvolvimento e Assistência Social, Wellington Dias, descartou uma ida ao ato convocado por setores da esquerda para o próximo dia 23 caso o mote seja a prisão do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL). A entrevista foi dada ao UOL News da manhã desta sexta-feira (1º).

Não [participaria do ato]. Aquilo que diz respeito, seja em relação ao Bolsonaro ou quem quer que seja, cuida Judiciário, cuida Ministério Público, cuida Polícia Federal e cuidam advogados da defesa. Ou seja, há um processo à parte que a própria democracia já assegura [...] Claro que a posição de líderes sociais é própria da democracia, mas compreendo que aqui é um exemplo para que a gente possa caminhar na linha da união e reconstrução.

Confio na estrutura democrática brasileira e ela tem que se dar o legítimo direito de defesa a todas as pessoas. A prisão não pode ser por conta de uma reivindicação, tem que ser por prática de crime e sustentada na lei e na Constituição.

Ato será contra anistia, diz diretor do MST

Durante o UOL News, João Paulo Rodrigues, diretor nacional do MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra), disse que o ato será a favor da democracia e contra a anistia. Ele também descartou a possibilidade de um dos motes da manifestação ser a prisão de Jair Bolsonaro.

[O ato] É a favor da democracia e contra a anistia. Não existe Bolsonaro na palavra de ordem. Não queremos que ele esteja no centro da pauta, nem no caso de prisão, nem de outros assuntos. É uma mobilização contra a agenda golpista, que é muito mais ampla do que o Bolsonaro.

Um setor acha que deveríamos pautar o tema da prisão do Bolsonaro. e pressionar o STF para fazer isso logo. Nós avaliamos que isso é uma decisão da Justiça. Por isso, a pauta [do ato] é política.

Achamos que Bolsonaro deve ser preso se houver um processo legal, com o direito de defesa, transitado em julgado. Feito isso, a Justiça decide se ele pode ser preso ou não. Não podemos antecipar essa agenda porque iria contra tudo o que fizemos no debate sobre o presidente Lula. João Paulo Rodrigues, diretor nacional do MST

O UOL News vai ao ar de segunda a sexta-feira em duas edições: às 10h com apresentação de Fabíola Cidral e às 17h com Diego Sarza. O programa é sempre ao vivo.

Continua após a publicidade

Deixe seu comentário

Só para assinantes