Conteúdo publicado há 3 meses

Malafaia diz que ato com Bolsonaro foi para pressionar contra a prisão

O pastor Silas Malafaia disse em entrevista a um canal no YouTube que propôs o ato na Paulista em 25 de fevereiro a Jair Bolsonaro (PL) para pressionar contra uma eventual prisão do ex-presidente.

O que aconteceu

"Eu tô vendo ele [Bolsonaro] calado, amuado. Liguei para ele e falei: 'Você quer ser preso em Mambucaba (RJ) chorando ou você quer ser preso botando o povo na rua?'", contou Malafaia à youtuber bolsonarista Antonia Fontenelle. A entrevista foi no último dia 4 de março, mas viralizou hoje nas redes sociais.

"Se você botar o povo na rua, eles vão pensar umas três vezes e se isso acontecer o negócio vai ficar feio", teria dito o pastor ao ex-presidente, segundo o relato.

Malafaia pagou o ato em defesa de Bolsonaro em 25 de fevereiro. Inicialmente, ele falou que os custos seriam bancados pela sua instituição religiosa, a Associação Vitória em Cristo, mas, para evitar a acusação de uso de dízimo, ele mudou o discurso e afirmou que os recursos sairiam de seu próprio bolso.

Manifestação aconteceu após Bolsonaro ser alvo de operação da Polícia Federal em 8 de janeiro. A operação Tempus Veritatis (hora da verdade, em latim) incluiu uma busca e apreensão na casa do ex-presidente. A PF investiga a existência de uma organização criminosa, que teria tramado um golpe de Estado para impedir a posse do presidente Lula (PT).

Deixe seu comentário

Só para assinantes