Conteúdo publicado há 30 dias

Glauber Braga: Lira ganha poder absoluto comparável à cassação na ditadura

O projeto de Arthur Lira para punir parlamentares envolvidos em brigas dá ao presidente da Câmara poderes que se comparam à cassação de parlamentares durante a ditadura militar, afirmou o deputado federal Glauber Braga (PSOL-RJ) em entrevista ao UOL News nesta quarta (12).

Ontem, a Câmara dos Deputados aprovou a urgência de um projeto de resolução interna que altera o regimento interno da Casa. Braga chamou a proposta de "AI-5 do Lira".

Se eu falar algo que o Lira considere ofensivo e quebra de decoro, se essa proposta for aprovada, ele pode reunir a Mesa Diretora da Câmara e me afastar de maneira cautelar. Durante esse período, ficarei impedido de estar nos espaços da Câmara. Depois, serei chamado ao Conselho de Ética só para ele dizer se referenda ou não a posição do presidente da Câmara. Isso não é direito de defesa.

É evidente que, em uma situação como essa, o Conselho não vai se contrapor a uma posição adotada pela Mesa Diretora. Altera-se a lógica. É como se um deputado no Conselho de Ética estivesse votando contra o Lira. Ele terá que assumir as consequências de enfrentar o poder daquele que pode representar contra ele mesmo amanhã.

Lira ganha poderes absolutos que se comparam à cassação de mandatos no período da ditadura. Quebrou o decoro, segundo a avaliação do Lira, em 24 horas o deputado pode ser afastado cautelarmente. Evidentemente, agora sou um alvo preferencial [do afastamento cautelar]. Alguém tem dúvida disso?

Quem for deputado de esquerda e estiver embarcando nessa linha está fazendo um papel de inocente. Ter inocência com Arthur Lira? Pelo amor de Deus. Glauber Braga, deputado federal (PSOL-RJ)

Na visão de Braga, os parlamentares da esquerda se tornarão alvo de perseguição caso o projeto de Lira seja aprovado.

É um absurdo dar mais poder ao Lira. Caso ele se coloque frontalmente contra as posições do governo e trabalhe em uma linha de derrubar o Lula, o que os deputados do PT farão? Vão encarar o Lira e serão a bola da vez. Mas isso é tão evidente!

Os deputados da direita e da extrema direita que participaram ativamente da tentativa do golpe de 8/1 ficaram com seus processos parados por atuação direta do Lira. Se ele já faz isso agora, negocia o apoio do PL para a candidatura do seu sucessor na presidência da Câmara, por que começaria a atuar de forma diferente a partir de agora?

Continua após a publicidade

Isso aumenta o poder de barganha dele para fazer com que os seus próximos permaneçam no exercício do seu mandato e aqueles que se contrapõem a ele e denunciam sua atuação sejam perseguidos. Quem vai afastar o Lira de forma cautelar? Não tem. Glauber Braga, deputado federal (PSOL-RJ)

Ampliar poder de Lira é suicídio e tiro no pé da esquerda, diz deputado

Braga criticou parlamentares de esquerda que se mostraram favoráveis ao projeto apresentado por Lira. O deputado alertou para a possível criação de um cenário de medo, com uma espécie de censura prévia a assuntos e críticas que atinjam o presidente da Câmara ou seus aliados.

É evidente que Lira usará esse instrumento para blindar seus aliados, faça jogadas com isso e vai para cima da esquerda, de parlamentares que se colocam como contraponto ao seu projeto de poder. Isso é uma trava, uma censura estabelecida previamente ao que o deputado dirá. É um tiro no pé da esquerda, de quem vota a favor disso. É um suicídio. Glauber Braga, deputado federal (PSOL-RJ)

Tales: Juscelino Filho está com as horas contadas no governo

Continua após a publicidade

O ministro das Comunicações Juscelino Filho (União Brasil-MA) ficou em posição insustentável no governo Lula após ser indiciado pela Polícia Federal sob suspeita de corrupção e organização criminosa, disse o colunista Tales Faria, também no UOL News de hoje.

A PF concluiu que Juscelino Filho faz parte de uma organização criminosa e praticou corrupção passiva, com desvio de recursos públicos da Codevasf (Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba).

A situação do ministro é insustentável. Não tem como ele permanecer no governo.

Espero que o Lula não caia na mesma armadilha que se impôs o Michel Temer, que disse 'ministro que se envolver em falcatrua não vai ficar' quando assumiu o governo. Começaram a aparecer os primeiros casos, e Temer disse que 'só sairiam se fossem indiciados'. Surgiram vários casos, e Temer ficou refém da situação, já que se entregou à base dele, e o governo ficou manchado, com taxas de popularidade no chão. É isso que Lula precisa ver agora. Tales Faria, colunista do UOL

Para Tales, Lula precisa tomar uma atitude rápida com relação a Juscelino Filho, assim como fez com o secretário de Política Agrícola Neri Geller, —demitido após vir à tona uma provável tentativa de fraude no leilão para importação de arroz promovido pela Conab (Companhia Nacional de Abastecimento).

Diante do que se levantou no escândalo do arroz, e que o deixou irritadíssimo, Lula fez bem em afastar Neri Geller. Ele tem que estabelecer isso e usar essa situação da Polícia Federal como um marco.

Continua após a publicidade

Pode ter certeza: [o ministro do STF] Flávio Dino já está preparando para condenar esse ministro e não passar a mão na cabeça dele, especialmente para marcar que não é ministro do governo.

É uma história já contada. Lula já está refém do Congresso e é hora de começar a se libertar. Se não tomar uma providência agora, Lula ficará absolutamente refém do Congresso. Não acredito que fique, pois esse ministro está com as horas contadas no governo. Tales Faria, colunista do UOL

O UOL News vai ao ar de segunda a sexta-feira em duas edições: às 10h com apresentação de Fabíola Cidral e às 17h com Diego Sarza. O programa é sempre ao vivo.

Quando: De segunda a sexta, às 10h e 17h.

Onde assistir: Ao vivo na home UOL, UOL no YouTube e Facebook do UOL.

Deixe seu comentário

Só para assinantes