PUBLICIDADE
Topo

Saúde

Bolsonaro diz ser inviável tirar brasileiros de locais com coronavírus

Coronavírus: Movimentação no Aeroporto Internacional de São Paulo em Guarulhos após chegada de voo chinês - Fepesil/TheNews2/Agência O Globo
Coronavírus: Movimentação no Aeroporto Internacional de São Paulo em Guarulhos após chegada de voo chinês Imagem: Fepesil/TheNews2/Agência O Globo

Do UOL, em São Paulo

31/01/2020 18h24

A retirada de brasileiros que se encontram em locais de risco de coronavírus só ocorreria em caso de quarentena, alegou o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) na tarde de hoje. Após a coletiva do Ministério da Saúde sobre o tema, Bolsonaro afirmou se tratar de uma ação que cabe mais ao Congresso por envolver os cofres públicos.

"Se me arranjarem recursos e meios, começamos a arranjar (voos) a partir de agora", declarou o presidente. "Custa caro um voo desses. Ali, se for fretar um voo é acima de 500 mil dólares o custo. Pode ser pequeno para o tamanho do orçamento brasileiro, mas depende da aprovação do Parlamento. Aí é com eles", continuou.

A fala de Bolsonaro foi endossada pelo ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, que salientou a necessidade de realizar escalas em outros países para retirar brasileiros de locais como a China.

"Não temos voo direto. Você sai da China e faz conexão em Paris, Frankfurt...", observou.

O presidente reiterou seu posicionamento: "Se não estiver tudo redondinho no Brasil, não vamos buscar ninguém. Se depender do presidente, não vamos buscar ninguém."

Ainda esta semana, Bolsonaro afirmou que "não seria oportuno" resgatar família brasileira com suspeita de Coronavírus e que está em isolamento nas Filipinas. A deliberação vai de contramão ao que foi decidido por outros países. Estados Unidos, Japão e Itália já tomaram providências para a retirada de cidadãos de locais de risco.

Em balanço divulgado ao fim desta tarde, o governo divulgou 12 casos de suspeita do vírus, sendo sete no estado de São Paulo.

Coronavírus liga alerta pelo mundo

Saúde