PUBLICIDADE
Topo

Chineses somem após fazer vídeos criticando reação da China ao covid-19

4.fev.2020 - Chen Qiushi, advogado chinês que fazia reportagens extraoficiais sobre a situação do covid-19 em Wuhan, desapareceu após a divulgação de vídeos críticos ao governo da China - Reprodução/AP
4.fev.2020 - Chen Qiushi, advogado chinês que fazia reportagens extraoficiais sobre a situação do covid-19 em Wuhan, desapareceu após a divulgação de vídeos críticos ao governo da China Imagem: Reprodução/AP

15/02/2020 10h47

Dois cidadãos chineses, Chen Qiushi e Fang Bin, chamaram a atenção em seu país ao registrar em vídeos a situação de pessoas infectadas pelo covid-19. De acordo com o site South China Morning Post, a dupla mostrava em seus registros casos omitidos pela mídia estatal, como o flagrante de uma pilha de cadáveres armazenados em uma van perto de um hospital. Os dois desapareceram na semana passada, e suspeita-se que tenham sido detidos por autoridades públicas.

Chen, advogado, fez seu último vídeo com um morador de Wuhan, cidade onde o surto do novo coronavírus surgiu. O entrevistado, A Ming, contava como seu pai tinha contraído o vírus ao fazer um check-up no Wuhan Union Hospital, em janeiro. De acordo com ele, não havia medidas de prevenção ao contágio no local. Seu pai morreu há cerca de duas semanas.

Nessa gravação, Chen afirma que muitas pessoas estavam preocupadas com a possibilidade de que ele fosse preso por conta dos registros que vinha fazendo. Ele foi visto pela última vez em 7 de fevereiro.

De acordo com um amigo dele, Chen foi colocado em quarentena à força, mas ninguém sabe onde ele está.

O outro chinês desaparecido, Fang Bin, foi detido por policiais à paisana dois dias depois, segundo a rede de TV RTHK, de Hong Kong. Morador de Wuhan, ele fez vídeos em hospitais da cidade e pediu às pessoas que resistissem ao Partido Comunista, que comanda a China.

O South China Morning Post afirma que meios de comunicação consagrados, como Caixin e Sanlian Lifeweek, têm publicado relatórios excepcionalmente detalhados e críticos sobre a epidemia, mas ainda existem linhas que eles não podem cruzar.

Por outro lado, as mídias estatais mantêm a posição de se concentrar nos esforços do governo para combater o novo coronavírus.

Fu King-wa, professor associado de jornalismo da Universidade de Hong Kong, disse que é difícil fazer reportagens transparentes na China continental e que os cidadãos que fazem reportagens extraoficiais desempenham um papel importante em "informar o público e preencher uma lacuna que a mídia estatal não pode preencher".

Mas, ao fazer isso, correm o risco de infringir a lei, que exige que repórteres tenham um cartão de imprensa emitido pela Administração Geral de Imprensa e Publicação.

Somente aqueles que trabalham com mídia registrada podem solicitar o cartão, e quem trabalha sem essa identidade corre o risco de punição por conduta ilegal.

"Se eles (cidadãos comuns) não fizerem bem o trabalho, isso pode ser perigoso, porque as pessoas confiam neles", diz o professor Fu, da Universidade de Hong Kong.

"Eles poderiam postar algo e excluí-lo, mas o conteúdo permaneceria em domínio público", afirmou sobre a possibilidade de informações erradas se espalharem quando são reproduzidas por pessoas que não trabalham usualmente como jornalistas.

Coronavírus liga alerta pelo mundo

Saúde