PUBLICIDADE
Topo

Surto de covid no Brasil deve "acabar" depois do Natal, sugere estudo

Desinfecção do Terminal de ônibus anexo à estação do Metro do Tatuapé, Zona Leste de São Paulo, para combater a disseminação do Coronavírus - PAULO GUERETA/ESTADÃO CONTEÚDO
Desinfecção do Terminal de ônibus anexo à estação do Metro do Tatuapé, Zona Leste de São Paulo, para combater a disseminação do Coronavírus Imagem: PAULO GUERETA/ESTADÃO CONTEÚDO

Carolina Marins

Do UOL, em São Paulo

09/05/2020 04h00

Resumo da notícia

  • Universidade de Singapura prevê que último caso será registrado em 29 de dezembro
  • Data da projeção para o mundo como um todo é em 31 de dezembro
  • Previsão é alterada por atitudes dos governos e das populações
  • Especialistas afirmam que não voltaremos à normalidade de antes
  • Cenário futuro deve ser semelhante ao do H1N1 hoje, de aprender a conviver com o vírus

Se mantiver o ritmo de aceleração da pandemia de covid-19, o Brasil pode ver o fim do surto do novo coronavírus apenas após o Natal, em 29 de dezembro, segundo projeção do laboratório de inovação de dados da Universidade de Singapura.

Pesquisadores, no entanto, alertam que as previsões devem ser lidas com cuidado, estão sujeitas a alteração e não devem resultar em afrouxamento nas medidas de contenção.

Utilizando dados de pessoas contaminadas, suscetíveis e recuperadas da covid-19, a doença causada pelo novo coronavírus, os pesquisadores projetam qual deve ser o comportamento da doença em diferentes países. Observando padrões, foi possível supor quando a epidemia deve atingir o pico e chegar ao fim que, pela definição, seria o dia do último caso de infecção.

Com o aumento no número de novos casos confirmados no Brasil nos últimos dias, a projeção inicial consultada pelo UOL na terça-feira (5) previa o último caso para 29 de outubro, foi adiada em dois meses. Em 28 de abril, antes do início da aceleração da pandemia, a previsão era de "fim" em 8 de julho.

"A evolução da covid-19 não é completamente aleatória. Como outras pandemias, segue um padrão de ciclo de vida desde o surto até a fase de aceleração, ponto de inflexão, fase de desaceleração e eventual parada ou término", disse o estudo em 28 de abril.

Reprodução
Imagem: Reprodução

Para o mundo, a previsão é de que o fim chegue no Réveillon, em 31 de dezembro, o que, na realidade pode indicar que a pandemia ainda deve se estender até o próximo ano, considerando margens de erro das projeções. De acordo com o gráfico, o pico de contaminação mundial ficou em abril.

Assim como o Brasil, o México ainda está em fase de aceleração e, portanto, a previsão pode ser menos acurada para esses locais. Índia, Rússia e Arábia Saudita estariam vivendo os seus picos neste momento.

Confira as projeções para os países mais afetados e o número de óbitos oficiais confirmados segundo a Universidade Johns Hopkins em 08/05::

  • EUA: 76.032 mortes confirmadas; fim previsto para 18/10
  • Reino Unido: 31.315 mortes confirmadas; fim previsto para 26/09
  • Itália: 30.201 mortes confirmadas; fim previsto para 22/10
  • Espanha: 26.070 mortes confirmadas; fim previsto para 14/08
  • França: 25.990 mortes confirmadas; fim previsto para 22/08
  • Brasil: 9.390 mortes confirmadas; fim previsto para 29/12

Projeções podem mudar

A projeção é atualizada continuamente conforme os países computam novos dados, por isso, pode sofrer alterações ao longo do tempo. Além disso, o estudo também alerta que o comportamento dos governos e das pessoas pode influenciar no resultado e prolongar ou adiantar o pico e o possível fim da doença.

"É um estudo hipotético baseado nos dados que temos até hoje e cuja curva se atualiza diariamente baseada nos novos dados fornecidos pelas fontes", explica o infectologista especializado pelo hospital Emílio Ribas, Natanael Adiwardana.

"É uma prospecção que muda diariamente. Se é realista, a gente só vai saber quando acabar porque existem inúmeras variáveis que podem não estar contidas e que ainda não foram empregadas pelos pesquisadores. Mas é uma forma de a gente ter uma noção do potencial impacto da doença em cima da comunidade", avalia.

À época da projeção anterior, que previa o fim da pandemia em julho, muitos estados brasileiros ainda não haviam adotado medidas mais restitivas de isolamento social. Nesta semana, diversas cidades decretaram lockdown.

O mesmo aconteceu com projeções para a Itália e até para Singapura. "As previsões alteradas das datas de pandemia para a Itália podem resultar das medidas de controle do governo e dos comportamentos humanos levemente relaxados na Itália na semana passada. As curvas pandêmicas de Singapura e Itália mudaram ao longo do tempo, à medida que os cenários do mundo real mudaram dinamicamente", diz o estudo atualizado em 2 de maio.

Adiwardana explica que a atitude da população frente ao distanciamento social é que vai determinar o comportamento da curva.

"Se a população aumentar a taxa de distanciamento social e a gente conseguir controlar a taxa de multiplicação da doença e contaminação, pode ser que o pico acabe sendo muito menor, mas como a gente vai ter uma progressão mais lenta, este pico naturalmente vai a correr mais tarde".

Se nós continuarmos nos comportando desta maneira hoje a previsão pode ser que seja esta. Se, pelo contrário, todo mundo abrir mão do distanciamento social, a previsão pode ser, inclusive, menos pior do que o que a realidade vai ser"
Nathanael Adiwardana, infectologista especializado pelo hospital Emílio Ribas

No site, os próprios pesquisadores alertam que tais projeções podem conter erros. Primeiro porque ela foi idealizada e adaptada para a realidade de Singapura, a aplicação em outros países pode causar simplificações. Segundo porque o comportamento de governos e da população frente à doença pode mudar e alterar o ciclo desta no país.

O professor associado de epidemiologia da Faculdade de Saúde Pública da USP, Fredi Alexander Quijano, vê discrepância entre os gráficos e a realidade. "Parece que houve generalizações para todos os países o que seria um erro. Muito complicado predizer o momento da queda de casos quando ainda estamos tendo só incrementos e quando sabemos que existem problemas e demoras na identificação e reporte de casos", diz.

Eleições e Enem

Terminando ou não na previsão feita pelos pesquisadores, a realidade é que a pandemia ainda deve se mostrar presente em eventos importantes do calendário brasileiro este ano, como as eleições municipais, os vestibulares e o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).

Até o momento, o governo decidiu não adiar esses eventos. Sobre o Enem, parlamentares defendem a aprovação de projetos que visam o adiamento da prova sob argumentos de que a interrupção das aulas presenciais e a falta de acesso à internet em algumas localidades prejudicam alunos. O ministro da Educação, Abraham Weintraub, no entanto, pede para que o calendário seja mantido.

As eleições também estão mantidas, mas o governo já fez adaptações para evitar o deslocamento de eleitores neste momento. Está suspenso o cancelamento de títulos que ainda não fizeram biometria e eleitores em situação irregular puderam resolver a situação via internet.

É possível um fim total?

Quijano explica que são muito poucas as doenças de fato erradicadas, mesmo com vacinação. No caso do novo coronavírus, é possível que tenhamos o mesmo cenário da H1N1, em que aprendemos a conviver com o vírus.

"Já estamos aprendendo ou teremos que aprender a conviver com esse risco de doenças respiratórias. Essa pandemia está mudando muito a forma como estudamos, trabalhamos, nos relacionamentos com os outros. Já estamos nos adaptando a essa situação", explica.

A julgar por situações análogas, como H1N1 e outras doenças respiratórias transmissíveis, é possível que a gente tenha que se adaptar a conviver com esse risco e a prevenir a transmissão".
Fredi Alexander Quijano, professor associado de epidemiologia da Faculdade de Saúde Pública da USP

É pouco provável que a gente volte à vida exatamente de antes da pandemia. Essa pandemia abriu nossos olhos para a necessidade de ampliar o uso da tecnologia"
Natanael Adiwardana, infectologista especializado pelo hospital Emílio Ribas

"A tecnologia que estava encontrando uma grande resistência por dentro de várias áreas, por exemplo a telemedicina, a digitalização de alguns meios, de algumas formas de trabalho, de algumas relações sociais, pode ter surgido. E umas que já existiam podem se intensificar, se transformar. Então, tudo isso vai mudar dentro da área da saúde, dentro da área política e na área econômica", conclui Adiwardana.

Coronavírus