PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Sociedade Brasileira de Infectologia: "Cloroquina não deve ser recomendada"

Cloroquina é usada em casos graves de covid-19 no Brasil, mas ainda não provou eficácia em estudos - Rafael Henrique/SOPA Images/LightRocket via Getty Images
Cloroquina é usada em casos graves de covid-19 no Brasil, mas ainda não provou eficácia em estudos Imagem: Rafael Henrique/SOPA Images/LightRocket via Getty Images

Alex Tajra e Carlos Madeiro

Do UOL, em São Paulo e em Maceió

20/05/2020 18h41Atualizada em 20/05/2020 18h41

A SBI (Sociedade Brasileira de Infectologia) elaborou um documento hoje em que orienta a não recomendação "de rotina" das substâncias cloroquina e hidroxicloroquina para tratamentos de covid-19. O informe da instituição é divulgado após o governo federal publicar uma recomendação para que o sistema público de saúde passe a prescrever os remédios a pacientes com sintomas leves do novo coronavírus.

A substância foi alvo de embate entre o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e os ex-ministros da Saúde Luiz Henrique Mandetta (DEM) e Nelson Teich. Ambos se posicionaram de forma cética ao medicamento, levando em consideração as conclusões do meio científico, que não vê em eficácia comprovada no tratamento contra a covid-19.

Os estudos clínicos atuais com cloroquina ou hidroxicloroquina, associada ou não à azitromicina, permitem concluir que tais medicamentos, até o presente momento, não mostraram eficácia no tratamento farmacológico de COVID-19 e não devem ser recomendados de rotina
Sociedade Brasileira de Infectologia

O órgão admite que "é muito atraente e desejável" que um medicamento como a hidroxicloroquina, barato e relativamente abundante, possa ser benéfico para os pacientes, mas deixa claro que não há qualquer comprovação científica de que a substância seja eficaz. A instituição cita que, no momento, o uso da cloroquina deve ser feito exclusivamente em pesquisas clínicas.

"O governo, ao permitir o uso pelo SUS, faz com o que o remédio possa ser prescrito pelo médico sem custo para o paciente. Mas nós, da SBI, temos de compartilhar a parte científica. A cloroquina, a hidroxicloroquina, alguns vermífugos que mostraram efeito antiviral no laboratório, não tiveram efeitos benéficos em humanos", disse hoje o presidente da SBI, Clovis Arns Cunha, em entrevista a uma rádio no Paraná.

Para estabelecer a eficácia das substâncias, a SBI diz que ensaios randomizados e com grupo de controle (espécie de padrão para que um estudo clínico seja considerado cientificamente relevante) têm de ser feitos.

"Estes devem ter os seguintes critérios: o paciente deve ter a mesma chance de ser "sorteado" (escolha aleatória, sem interferência do pesquisador, que geralmente é feito por um programa simples de computação) para receber o tratamento 'padrão' juntamente com o(s) medicamento(s) em estudo, também chamado medicamento(s) experimental(ais), ou de ser alocado no grupo controle, que representa o grupo de pacientes que vão receber somente o tratamento "padrão", sem qualquer medicamento em teste.", diz o informe.

A SBI afirma que a única indicação científica sobre a substância é que ela pode ser prejudicial aos pacientes. "Alguns estudos mostraram seu potencial malefício, podendo causar alteração cardiológica, verificada no eletrocardiograma (prolongamento do intervalo QT), que está associada a uma maior chance de arritmias ventriculares, potencialmente fatais", diz o documento divulgado hoje.

"A preocupação que temos é que estudos clínicos já feitos mostraram efeitos colaterais. E um que nos preocupa muito como médicos é que cloroquina (usada contra a malária) e hidroxicloroquina (contra doenças reumáticas) não mostraram efeitos colaterais significativos. Mas ao serem usadas na covid-19, por conta delas causarem vários graus de inflamação no organismo, esses pacientes tiveram problemas cardíacos", argumentou Clovis Arns Cunha.

E em alguns pacientes, especialmente os idosos, o problema foi de arritmia, e alguns foram a óbito. Por isso estamos alertando, como fazem todas as sociedade científicas do mundo: isso vale aqui, nos EUA, na Europa
Clovis Arns Cunha, presidente da SBI

Coronavírus