PUBLICIDADE
Topo

SP desativa maioria dos leitos do Hospital de Campanha do Anhembi

29.abr.2020 - Hospital de Campanha do Anhembi, na zona norte de São Paulo, montado para tratar pacientes de covid-19 - Tiago Queiroz/Estadão Conteúdo
29.abr.2020 - Hospital de Campanha do Anhembi, na zona norte de São Paulo, montado para tratar pacientes de covid-19 Imagem: Tiago Queiroz/Estadão Conteúdo

Do UOL, em São Paulo

01/08/2020 09h03

O Hospital de Campanha do Anhembi passa a funcionar a partir de hoje com 310 leitos para tratamento de pacientes infectados pelo coronavírus.

A estrutura, que vinha operando com 871 leitos, teve 561 deles desativados pela prefeitura de São Paulo devido à diminuição da demanda de novos pacientes. A medida havia sido anunciada pelo prefeito Bruno Covas (PSDB) em 16 de julho.

De acordo com a prefeitura, a desativação desses leitos trará uma economia mensal de R$ 19 milhões. O custo operacional da ala que permanecerá em atividade, que é administrada pela SPDM (Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina), será de R$ 9 milhões.

Os leitos desativados estavam sob a gestão do Iabas (Instituto de Atenção Básica e Avançada à Saúde). A organização está ligada a suspeitas de fraudes na montagem de hospitais de campanha no Rio de Janeiro e não teve o contrato renovado com a prefeitura de São Paulo.

Inaugurado em abril, o hospital de campanha do Anhembi foi projetado a receber até 1.800 pacientes, mas a contingência de 929 leitos não precisou ser usada no momento mais crítico da pandemia na cidade.

Novos leitos

Com a desativação dos leitos no hospital de campanha, a prefeitura vai realocar funcionários e equipamentos em novos leitos que serão abertos em outras duas unidades de saúde fixas da cidades.

O Hospital da Brasilândia, na zona norte, ganhará 132 leitos de enfermaria a um custo mensal de R$ 4,5 milhões. Nos Hospital Sorocabano, na zona oeste, serão 60 novos leitos de enfermaria a um custo de R$ 3 milhões por mês.

Coronavírus