PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Conteúdo publicado há
1 mês

Eventos com Bolsonaro têm aglomeração no dia que país atinge 250 mil mortos

Jair Bolsonaro visita Sena Madureira (AC) e gera aglomeração - Diego Gurgel/ISHOOT/Estadão Conteúdo
Jair Bolsonaro visita Sena Madureira (AC) e gera aglomeração
Imagem: Diego Gurgel/ISHOOT/Estadão Conteúdo

Do UOL, em São Paulo

24/02/2021 21h17

No dia em que o Brasil atingiu a marca de 250 mil mortos em decorrência da covid-19, eventos oficiais que contaram com a participação do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), em Rio Branco (AC) e em Brasília (DF), promoveram aglomeração e muitos dos convidados sequer utilizavam máscara de proteção facial.

Bolsonaro esteve no Acre para sobrevoar áreas atingidas pelas enchentes e entregar vacinas contra o coronavírus. O estado está com situação de emergência e calamidade pública decretada. Segundo o Ministério da Saúde, seriam entregues quase 22 mil doses de vacinas contra a covid-19.

Uma comitiva de ministros e integrantes do governo estava com o presidente. A maioria deles apareceu sem máscara na transmissão da TV Brasil e em aglomeração, apesar da pandemia de coronavírus.

Já em Brasília, Bolsonaro deu posse a dois novos ministros no final da tarde desta quarta-feira (24), em solenidade no Palácio do Planalto. João Roma assumiu o Ministério da Cidadania e Onyx Lorenzoni é o novo ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência.

O evento contou com a presença de diversos ministros e autoridades. Novamente, boa parte deles não usava a máscara —inclusive os seguranças do chefe do Executivo— e promovendo a aglomeração.

Bolsonaro - Reprodução/TV Brasil/GloboNews - Reprodução/TV Brasil/GloboNews
Jair Bolsonaro (no destaque) é cercado após participar da posse de dois ministros em Brasília
Imagem: Reprodução/TV Brasil/GloboNews

Desde as 20h de ontem, o país computou 1.390 novas mortes causadas pela doença, de acordo com boletim extra divulgado nesta tarde pelo consórcio de veículos de imprensa do qual o UOL faz parte, baseado em dados fornecidos pelas secretarias estaduais de saúde. O total de vítimas até as 18h18 é de 250.036.

Segundo a Universidade Johns Hopkins, referência mundial nos estudos sobre a covid-19, o Brasil é o segundo país com mais mortes pela doença no mundo. Estamos apenas atrás dos Estados Unidos, com 503.529 óbitos de acordo com números divulgados pela instituição na tarde de hoje.

O Brasil vive atualmente o seu pior momento na pandemia, com alta contaminação.

Em reação à marca de 250 mil mortes, atingida na noite de hoje, políticos criticaram a atuação do presidente Jair Bolsonaro ao longo da pandemia. "Negligência", "descaso" e "genocida" foram alguns dos termos utilizados para se direcionar ao chefe do Executivo.

"Provas repetidas da conduta genocida deste irresponsável e incompetente! O exemplo, para o mal e para o bem, vem de cima. Hoje o Brasil atingiu 250 mil mortes por coronavírus... O segundo país em número absoluto de mortes do mundo", escreveu Ciro Gomes, nas redes sociais. Ele foi adversário de Bolsonaro nas eleições em 2018.

Coronavírus