PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Conteúdo publicado há
1 mês

Queiroga critica estados e municípios: "Incluir grupos no PNI atrapalha"

Ida de Queiroga ao Senado acontece um dia antes do início dos trabalhos da CPI da Covid - Wallace Martins/Futura Press/Estadão Conteúdo
Ida de Queiroga ao Senado acontece um dia antes do início dos trabalhos da CPI da Covid Imagem: Wallace Martins/Futura Press/Estadão Conteúdo

Lucas Valença

Colaboração para o UOL, em Brasília

26/04/2021 10h27Atualizada em 26/04/2021 18h08

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, criticou hoje a inclusão de novos grupos prioritários, definida por prefeitos e governadores, no Plano Nacional de Imunização. Segundo o ministro, a medida "atrapalha o processo de vacinação".

Se nós respeitássemos o nosso PNI (Plano Nacional de Imunização), conforme pactuado na tripartite, ele iria melhor. Ocorre que, os senhores sabem, que há a inclusão de um grupo (prioritário) ou outro e isso termina por alterar a harmonia do nosso programa
Marcelo Queiroga, ministro da Saúde

As declarações foram feitas à Comissão Temporária da Covid-19 no Senado. A ida do representante da Saúde acontece um dia antes do início dos trabalhos da CPI da Covid.

"É até um apelo que eu faço. Todos têm razão em querer ter a vacinação o mais rápido possível, mas, às vezes, isso atrapalha o nosso PNI", disse o ministro, que admitiu ainda "dificuldade" para a entrega da segunda dose da CoronaVac

"A aplicação da segunda dose tem sido um pedido de governadores e prefeitos e, agora, em face do retardo de insumo vindo da China ao Instituto Butantan, há uma dificuldade na aplicação desta dose", disse.

O ministro afirmou que o ministério publicará uma nota técnica sobre assunto, sem entrar em detalhes.

Após ser questionado pelos senadores sobre as constantes mudanças nos prazos de entrega dos imunizantes contra a covid-19, Queiroga afirmou que "em nenhum momento" o ministério reduziu as metas de vacinação.

"O que nós fizemos foi retirar o calendário anteriormente colocado daquelas vacinas que estavam sem aprovação da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária)", explicou.

Segundo o ministro, neste momento, o Brasil não precisa de "polêmica" e que é necessário "passar uma mensagem harmônica à sociedade".

A comissão sabatinou o ministro sobre o PNI, que tem sofrido com as constantes mudanças nos prazos de vacinação contra o novo coronavírus estipulados pela própria pasta.

Queiroga também defendeu a campanha de vacinação "promovida pelo governo federal" e disse que "não gostaria" de ver o Brasil "perder tantas vidas".

[A vacinação] representa uma esperança e uma solução mais eficaz para o enfrentamento à pandemia Marcelo Queiroga, ministro da Saúde

Com relação à disponibilidade de vacinas à população, o ministro reclamou da imprensa e defendeu uma melhor comunicação entre os estados e municípios com a União. Segundo ele, sendo o Brasil um país "continental", há uma dificuldade logística na entrega dos imunizantes e que "não há que se comparar o Brasil com Israel e nem com o Chile".

"O Brasil é o quinto país que mais distribui doses de vacinas e ficam as pessoas aí na mídia criticando o tempo inteiro a campanha nacional de imunização, passando uma mensagem desencontrada para a sociedade brasileira", afirmou.

Oxigênio e kit intubação

O ministro também se defendeu das críticas que sofreu quando o ministério divulgou uma nota técnica sobre a racionalização do uso do oxigênio hospitalar. Queiroga criticou a divulgação "incorreta" do documento.

Eu falei em racionalização do oxigênio e foram dizer que eu queria fazer racionamento, o que não é o caso. O que nós precisamos é disciplinar e orientar os médicos para que proceda de maneira correta com esse insumo, porque ele é estratégico Marcelo Queiroga, ministro da Saúde

Sobre a remessa de medicamentos do chamado kit intubação, Queiroga disse que já abriu um pregão "nacional e internacional" para a aquisição dos remédios.

"Em um curto prazo nós vamos anunciar também uma remessa desses insumos vindos dos Estados Unidos", garantiu.

Sobre o relacionamento do Brasil com as organizações internacionais e, em especial, a OMS (Organização Mundial da Saúde), o governista garantiu que a relação é a "melhor possível".

"Inclusive, o presidente Tedros Adhanom, em sua conta no Twitter, já publicou, de maneira reiterada, a excelente relação que tem comigo e com o embaixador Carlos França. E essa relação não é comigo e nem com o diplomata, mas com o nosso país, o Brasil", declarou.

Errata: o texto foi atualizado
Diferentemente do informado no terceiro parágrafo desta matéria, Queiroga disse que a aplicação da segunda dose da vacina contra a covid-19 "tem sido um pedido" de governadores e prefeitos, e não que "tem sido impedida" pelos gestores locais. A informação já foi corrigida.

Coronavírus