PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Conteúdo publicado há
1 mês

Covid-19: Apesar de 4º dia em queda, Brasil tem 2.189 mortes em 24 horas

Total de casos de covid-19 no Brasil subiu para 15,5 milhões desde o começo da pandemia - Reinaldo Canato / UOL
Total de casos de covid-19 no Brasil subiu para 15,5 milhões desde o começo da pandemia Imagem: Reinaldo Canato / UOL

Carolina Marins, Douglas Porto, Rafael Bragança e Ricardo Espina

Do UOL, em São Paulo, e colaboração para o UOL, em São Paulo

14/05/2021 18h26Atualizada em 14/05/2021 20h54

Apesar de apresentar o quarto dia consecutivo de tendência de queda na média móvel diária de mortes, o Brasil registrou hoje mais 2.189 mortes pela covid-19 nas últimas 24 horas. O número faz o país chegar a 432.785 óbitos desde o início da pandemia e se aproximar das 30 mil mortes apenas em maio, ainda antes da metade do mês.

Já são 114 dias em que a média diária de mortes fica acima de mil, apontando que, apesar da queda, os indicadores ainda estão elevados.

Em 30 de abril, o país somava 404.287 óbitos, após viver em abril o mês mais letal da pandemia, com 82.401 mortes. Em março, o país teve 66.868 vidas perdidas em consequência da doença causada pelo novo coronavírus.

Apenas em maio, já morreram 28.498 pessoas por covid-19. Os números são do consórcio de veículos de imprensa, do qual o UOL faz parte, e são obtidos junto às secretarias estaduais de saúde.

Quantos aos casos, nas últimas 24 horas o país registrou 84.486 novos registros de diagnósticos positivos da covid-19. Com isso, o total de contaminados no país chega a 15.521.313 pessoas.

Apesar de os números serem divulgados diariamente, os registros não significam que as mortes e novos casos aconteceram, necessariamente, nas últimas 24 horas. Os dados indicam quando as mortes ou casos foram registrados.

Devido ao represamento de dados que ocorre nas secretarias de saúde dos estados durante os fins de semana e feriados, a média móvel diária é o índice mais adequado para se analisar o comportamento da pandemia, segundo especialistas. A média de sete dias corrige essas flutuações nos números e torna possível observar se a doença está crescendo ou caindo no país e nos estados.

A média de hoje é comparada com o índice de 14 dias atrás —que é o tempo comum de manifestação da doença. Se essa variação fica acima de 15%, há aceleração, abaixo de -15% é desaceleração e, entre os dois índices, indica tendência de estabilidade.

Sendo assim, a média móvel desta sexta-feira foi de 1.913 —a menor desde 16 de março—, com uma variação de -21% na comparação com duas semanas atrás, o que indica queda. Este é o quarto dia com tendência de queda após uma semana apresentando estabilidade.

Os estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais têm se mantido entre os que registram mais mortes nos últimos dias. Nas últimas 24 horas, eles somaram 1.155 das mortes totais do país. Bahia, Paraná e Rio Grande do Sul completam a lista de federações que tiveram mais de cem mortes diárias no último balanço.

Veja os números de cada um dos seis estados:

  • São Paulo - 559
  • Rio de Janeiro - 344
  • Minas Gerais - 252
  • Paraná - 145
  • Bahia - 115
  • Rio Grande do Sul - 108

Dezenove estados e mais o Distrito Federal registraram queda enquanto outros sete estados apresentaram estabilidade. Pelo quarto dia, nenhum registrou tendência de alta.

Todas as regiões apresentaram tendência de queda hoje: Centro-Oeste (-22%), Nordeste (-16%), Norte (-33%), Sudeste (-19%) e Sul (-28%).

Dados do governo federal

Já o Ministério da Saúde informou hoje que o Brasil registrou 2.211 novas mortes causadas pela covid-19 nas últimas 24 horas. No total, a doença provocou 432.628 óbitos no país desde o início da pandemia.

Pelos dados do ministério, entre ontem e hoje foram computados 85.536 novos casos de covid-19 no Brasil. Desde março de 2020, o total de infectados subiu para 15.519.525.

Segundo o governo federal, 14.028.355 pessoas se recuperaram da doença até o momento, com outras 1.058.542 em acompanhamento.

Veja a situação por estado e no Distrito Federal:

Região Sudeste

  • Espírito Santo: queda (-20%)
  • Minas Gerais: queda (-23%)
  • Rio de Janeiro: estável (-13%)
  • São Paulo: queda (-20%)

Região Norte

  • Acre: queda (-43%)
  • Amazonas: queda (-29%)
  • Amapá: queda (-27%)
  • Pará: queda (-40%)
  • Rondônia: estável (4%)
  • Roraima: queda (-39%)
  • Tocantins: queda (-42%)

Região Nordeste

  • Alagoas: queda (-20%)
  • Bahia: estável (2%)
  • Ceará: queda (-30%)
  • Maranhão: queda (-21%)
  • Paraíba: estável (-4%)
  • Pernambuco: queda (-27%)
  • Piauí: estável (-10%)
  • Rio Grande do Norte: estável (-5%)
  • Sergipe: estável (7%)

Região Centro-Oeste

  • Distrito Federal: queda (-25%)
  • Goiás: queda (-18%)
  • Mato Grosso: queda (-17%)
  • Mato Grosso do Sul: queda (-32%)

Região Sul

  • Paraná: queda (-34%)
  • Rio Grande do Sul: queda (-20%)
  • Santa Catarina: queda (-29%)

Veículos se unem pela informação

Em resposta à decisão do governo Jair Bolsonaro de restringir o acesso a dados sobre a pandemia de covid-19, os veículos de comunicação UOL, O Estado de S. Paulo, Folha de S.Paulo, O Globo, G1 e Extra formaram um consórcio para trabalhar de forma colaborativa para buscar as informações necessárias diretamente nas secretarias estaduais de saúde das 27 unidades da federação.

O governo federal, por meio do Ministério da Saúde, deveria ser a fonte natural desses números, mas atitudes de autoridades e do próprio presidente durante a pandemia colocam em dúvida a disponibilidade dos dados e sua precisão.

Coronavírus