Reino Unido vota por saída da União Europeia

Londres, 24 Jun 2016 (AFP) - O Reino Unido votou pela saída da União Europeia no referendo realizado na véspera, informa a rede de televisão BBC na manha desta sexta, após os partidários do Brexit garantirem 16,8 milhões de votos, o que assegura matematicamente a vitória.

O líder do Brexit Nigel Farage declarou que é "a vitória da verdade, da gente simples". "Faremos isto por toda a Europa. Espero que esta vitória derrube este projeto falido e nos leve a uma Europa de Nações soberanas".

"Vamos nos livrar desta bandeira (europeia), de Bruxelas e de tudo que fracassou. Façamos deste 23 de junho nosso dia da independência", declarou Farage.

A chefe de governo da Escócia, Nicola Sturgeon, declarou que "a votação aqui mostra claramente que os escoceses veem seu futuro como parte da UE".

Já o líder do partido republicano Sinn Fein, Declan Kearney, estimou que a província britânica da Irlanda do Norte deve realizar um referendo sobre sua união com a Irlanda após a saída do Reino Unido da UE.

"Temos esta situação em que o norte está sendo arrastado para fora (da UE) pelo resultado na Inglaterra (...). O Sinn Fein pressionará por sua demanda de referendo".

O líder da extrema direita holandesa, o deputado Geert Wilders, exigiu um referendo sobre a permanência de seu país na UE, após a vitória do Brexit no Reino Unido, nesta sexta-feira.

"O povo holandês também merece um referendo. Por isto, o Partido da Liberdade exige um referendo sobre a saída da Holanda da União Europeia", disse Wilders em um comunicado.

"Queremos estar a cargo do nosso próprio país, queremos nosso próprio dinheiro, nossas fronteiras e nossa política de imigração. Se fosse o primeiro-ministro, teríamos um referendo na Holanda sobre a saída da União Europeia. Que o povo holandês decida".

A ducha de água fria na UE começou em Newcastle, primeira cidade a divulgar resultados, onde a permanência venceu por pequena margem, mas muito inferior às previsões favoráveis à permanência, com 50,7% contra 49,3%.

Já em Sunderland, outra cidade do norte da Inglaterra, a saída do grupo europeu ganhou com ampla vantagem, por 61,34%, contra 38,66%.

Escócia e as grandes cidades votaram pela permanência na UE, inclusive superando as previsões, mas regiões inteiras do centro e do sul da Inglaterra, e o País de Gales, apoiaram em massa pela saída do Bloco.

Londres, Glasgow, Aberdeen e Liverpool votaram a favor da UE, mas cidades de tradição operária e portos pesqueiros deram um rotundo 'não' à permanência na UE.

- Pânico nos mercados -Os mercados asiáticos foram dominados pelo pânico nesta sexta-feira, diante do resultado favorável à saída do Reino Unido da União Europeia.

A Bolsa de Tóquio recuava 8%, e Hong Kong e Sidney perdiam algo em torno de 3% no final da manha.

Por volta das 03H15 GMT (00H15 Brasília), a libra esterlina era cotada a 1,3466 dólar, seu nível mais baixo em relação à moeda americana desde 1985. Minutos depois, caía a 1,33 dólar.

Paralelamente, o dólar era cotado abaixo dos 100 ienes e o euro, a menos de 110 ienes.

"O Banco do Japão anunciou sua disposição de facilitar a suficiente liquidez, utilizando em particular as operações de 'swap' em vigor entre os seis bancos centrais, para garantir a estabilidade dos mercados", declarou o governador Haruhiko Kuroda à AFP.

O ministro japonês das Finanças, Taro Aso, assegurou à imprensa que está disposto a atuar rápido diante dos movimentos "extremamente bruscos" que estão sacudindo os mercados.

"Responderemos com firmeza quando for necessário", declarou o ministro, acrescentando que está "preocupado com os riscos que pesam sobre a economia mundial e os mercados financeiros e de divisas".

As ações dos grupos bancários Standard Chartered e HSBC, com sede em Londres, recuavam 9,2% e 8,6%, respectivamente, na Bolsa de Hong Kong.

No setor petroleiro, o barril do West Texas Intermediate para entrega em agosto cedia 3,11 dólares, a US$ 47,00. O barril do Brent do Mar do Norte recuava 3,14 dólares, a US$ 47,77.

- Aposta no desconhecido -As casas de apostas britânicas mudaram sua tendência na madrugada de sexta-feira e passaram a antecipar a vitória do Brexit.

Após dois meses de uma campanha dura e tensa, que teve como momento mais dramático o assassinato da deputada trabalhista e pró-UE Jo Cox, 46,5 milhões de eleitores responderam a seguinte pergunta: "O Reino Unido deve permanecer como membro da União Europeia, ou abandonar a União Europeia"?

O primeiro-ministro britânico, David Cameron, que convocou o referendo e jogou seu futuro político na consulta, votou no centro de Londres bem cedo.

Nunca um grande país abandonou a UE desde o nascimento do projeto europeu nos anos 1950, quando as nações ainda viviam sob os escombros da Segunda Guerra Mundial, e metade do continente era governado por ditaduras. Atualmente, a UE engloba 28 países democráticos.

O Reino Unido entrou para o bloco em 1973 e, dois anos depois, organizou um referendo para calar os eurocéticos, com vitória da permanência. A votação desta quinta-feira dificilmente encerrará esse debate.

"Estamos em território desconhecido", afirmou o professor Chris Bickerton, da Universidade de Cambridge e autor de "The European Union: A Citizen's Guide".

"A saída será um golpe muito duro para UE. Há muito tempo a moral não estava tão baixa em Bruxelas", completou.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos