Macron diz que 'uso de armas químicas' na Síria sofrerá 'resposta imediata' de Paris

Versalhes, França, 29 Mai 2017 (AFP) - O presidente francês Emmanuel Macron advertiu nesta segunda-feira que "todo uso de armas químicas" na Síria "será alvo de represálias e de uma resposta imediata" de Paris, durante uma coletiva de imprensa conjunta com o russo Vladimir Putin.

Macron também declarou que deseja reforçar "a parceria com a Rússia" no âmbito da luta contra o terrorismo na Síria.

"Uma linha vermelha muito clara existe do nosso lado, a utilização de armas químicas, por quem quer que seja", alertou o chefe de Estado francês, que recebeu Putin no castelo de Versailles.

"Nossa prioridade absoluta é a luta contra o terrorismo (...) é o fio condutor de nossa ação na Síria e sobre a qual desejo, além do trabalho que realizamos dentro da coalizão, reforçar nossa parceria com a Rússia", explicou o presidente, referindo-se ao combate ao grupo extremista Estado Islâmico (EI).

O novo presidente francês se pronunciou a favor de "uma transição democrática na Síria", "mas preservando um Estado sírio". Na região, "os Estados falhos são uma ameaça para nossas democracias e temos os visto atuando para fazer progredir grupos terroristas", ressaltou.

ic-vl-dab/bds/mr/cc

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos