PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
15 dias

Equador decreta estado de exceção após disparada de casos de covid

Lenín Moreno, presidente do Equador, anuncia que medida afeta 16 das 24 províncias do país - Orlando Estrada/AFP Photo
Lenín Moreno, presidente do Equador, anuncia que medida afeta 16 das 24 províncias do país Imagem: Orlando Estrada/AFP Photo

AFP

21/04/2021 23h46

O presidente equatoriano, Lenín Moreno, decretou nesta quarta-feira (21) estado de exceção no país, que inclui toque de recolher e a suspensão dos direitos fundamentais, diante da "acelerada velocidade de contágio" da covid-19.

Anunciado por Moreno no Twitter, o decreto afeta 16 das 24 províncias do país e responde ao impacto da covid "em meninos, meninas e adolescentes" que precisaram de atendimento médico em unidades de terapia intensiva, assim como à presença de novas variantes do vírus", fatos que constituem "uma calamidade pública".

A medida implica a suspensão dos direitos à liberdade de circulação, associação e reunião, assim como a inviolabilidade do domicílio "para evitar reuniões e aglomerações que provocam um contágio acelerado".

A polícia e as forças armadas vão vigiar o cumprimento das restrições, segundo o documento.

O decreto inclui toque de recolher noturno de nove horas de segunda a quinta-feira, enquanto entre as 20h de sexta e as 05h de segunda-feira vigorará uma proibição total da circulação de veículos e pessoas. A venda de bebidas alcoólicas será proibida durante o toque de recolher.

Só poderão circular trabalhadores de setores estratégicos e exportador, saúde, venda de alimentos e remédios, serviços básicos, meios de comunicação e serviço diplomático.

Também se impõe obrigatoriamente o trabalho remoto tanto no setor público quanto privado e as aulas presenciais continuarão suspensas em todo o país.

Nos 28 dias de duração do estado de exceção, o plano de vacinação não será suspenso e aqueles que estiverem em sua vez de se imunizar poderão circular.

O Equador já vacinou 179.292 pessoas com as duas doses, enquanto 421.937 receberam a primeira, segundo dados oficiais de terça-feira.

Com 17,5 milhões de habitantes, o país soma 363.000 casos de covid-19 e mais de 17.800 mortos entre confirmados e suspeitos.

O ministro da Saúde, Camilo Salinas, disse que cerca de 200 pessoas em todo o país esperam um leito de hospital para receber tratamento para a covid e lembrou que a variante brasileira circula no país.

O presidente do Comitê de Operações de Emergência Nacional (COE), Juna Zapata, havia recomendado mais cedo ao presidente adotar medidas "concentradas" nas províncias onde se registra a maior quantidade de casos de covid-19.

Internacional