PUBLICIDADE
Topo

Guerra da Rússia-Ucrânia

Notícias do conflito entre Rússia e Ucrânia


Conteúdo publicado há
1 mês

G7 promete us$ 19,8 bilhões para ajudar orçamento da Ucrânia

O G7, que reúne os países mais industrializados, prometeu contribuir com 19,8 bilhões de dólares para as finanças da Ucrânia - Getty Images
O G7, que reúne os países mais industrializados, prometeu contribuir com 19,8 bilhões de dólares para as finanças da Ucrânia Imagem: Getty Images

20/05/2022 10h13Atualizada em 20/05/2022 10h36

O G7, que reúne os países mais industrializados, prometeu contribuir com 19,8 bilhões de dólares para as finanças da Ucrânia, que enfrenta a invasão da Rússia, segundo comunicado do grupo emitido ao final de uma reunião nesta sexta-feira.

Os fundos serão usados "para ajudar a Ucrânia a cobrir seu déficit financeiro e continuar a garantir o fornecimento de serviços básicos ao povo ucraniano", afirma o comunicado divulgado após a reunião dos ministros das Finanças do G7.

O documento do grupo integrado por Estados Unidos, Japão, Canadá, França, Itália, Reino Unido e Alemanha não especifica quanto cada país ou organização internacional contribuirá, nem a proporção de empréstimos e ajudas diretas.

Dos US$ 19,8 bilhões, US$ 9,5 bilhões foram garantidos ao final de uma reunião de dois dias em Köningwinter, nos arredores de Bonn, no oeste da Alemanha.

"A liquidez da Ucrânia está garantida num futuro próximo", disse o ministro das Finanças alemão, Christian Lindner, em entrevista coletiva.

O encontro buscava encontrar liquidez para sustentar as finanças da Ucrânia no trimestre atual, em plena ofensiva russa.

Os Estados Unidos planejam contribuir com até US$ 7,5 bilhões, incluídos no pacote de US$ 40 bilhões aprovado na quinta-feira pelo Congresso.

Por sua vez, a Comissão Europeia propôs na quarta-feira uma "nova assistência macrofinanceira" à Ucrânia para este ano, de "até 9 bilhões de euros" (9,5 bilhões de dólares).

Kiev estima que precisa de US$ 5 bilhões por mês para administrar o país.

"Permaneceremos ao lado da Ucrânia [...] e estamos preparados para fazer mais do que o necessário", disseram os representantes do G7 nesta sexta-feira.