PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Esse conteúdo é antigo

Governo de SP promete zerar fila de exame para coronavírus em duas semanas

Homem caminha sozinho na Rua São Bento, no centro de São Paulo, durante pandemia do novo coronavírus - Alexandre Schneider/Getty Images
Homem caminha sozinho na Rua São Bento, no centro de São Paulo, durante pandemia do novo coronavírus Imagem: Alexandre Schneider/Getty Images

Fabiana Cambricoli

São Paulo

11/04/2020 19h47

A Secretaria Estadual da Saúde afirmou neste sábado que pretende zerar a demanda reprimida de testes para coronavírus que aguardam resultado em duas semanas.

"A gente espera que até o final do mês esteja sendo processado só o que entra (exames novos), e que não tenha mais nenhum atraso", afirmou Paulo Menezes, coordenador do controle de doenças da secretaria.

O governo diz que, para analisar a demanda reprimida de testes, formou uma rede de 45 laboratórios públicos e privados que, quando estiver em plena capacidade, poderá analisar 8 mil amostras por dia. A rede está sendo coordenada pelo Instituto Butantã.

Segundo o órgão, a estimativa é de que, após zerar a fila, os novos exames que chegarem aos laboratórios da rede tenham seus resultados liberados em 48 horas.

Na sexta-feira, o jornal "O Estado de S. Paulo" mostrou que 30 mil testes para coronavírus aguardam resultado em São Paulo.

A pasta disse ainda que quase 9 mil das 30 mil amostras, embora registradas no sistema e descritas em boletim epidemiológico do órgão, não chegaram ao Instituto Adolfo Lutz, pois estão nas unidades de saúde onde foram coletadas, e que o número de testes à espera de resultado na instituição é, portanto, de 21 mil exames.

"Essa é a fila real, mas por que a gente fala em 17 mil? Porque em torno de 4 mil já estão sendo analisadas", destacou Menezes.

As cerca de 9 mil amostras não recebidas são as que aparecem no boletim com o status de triagem ou encaminhamento. "As duas situações descritas foram cadastros de solicitações de exames realizados pelas unidades de saúde de amostras que não chegaram a ser encaminhadas para o Adolfo Lutz", afirmou o coordenador do controle de doenças.

A tabela publicada no boletim epidemiológico, no entanto, apresenta os testes como "realizados pelo Instituto Adolfo Lutz" sem explicitar que foram incluídos no balanço amostras ainda não encaminhadas. ]

A secretaria foi procurada antes da publicação da reportagem sobre os 30 mil testes e não apontou erro na interpretação dos dados. Somente após a publicação da matéria, a pasta afirmou que 9 mil amostras ainda não haviam chegado.

Menezes afirmou que a principal dificuldade para dar vazão aos exames recebidos era a quantidade limitada de kits diagnósticos, problema que deverá ser solucionado com a compra de 1,2 milhão de kits da Coreia do Sul. A primeira remessa, de 725 mil unidades, está programada para chegar já neste domingo (12).

As informações são do jornal "O Estado de S. Paulo".

Coronavírus