PUBLICIDADE
Topo

Meio Ambiente

PGR vai apurar ida de agentes da Abin a evento da ONU sobre clima

O presidente Jair Bolsonaro ao lado do diretor geral da Abin, Alexandre Ramagem - Foto: Carolina Antunes/PR
O presidente Jair Bolsonaro ao lado do diretor geral da Abin, Alexandre Ramagem Imagem: Foto: Carolina Antunes/PR

Felipe Frazão

São Paulo

13/11/2020 07h12

O procurador-geral da República, Augusto Aras, instaurou uma apuração preliminar sobre o envio de oficiais da Abin (Agência Brasileira de Inteligência) para monitorar a Cúpula do Clima das Nações Unidas (COP 25), realizada no ano passado, na Espanha.

Aras determinou a abertura de uma "notícia de fato", o primeiro passo após a chegada de uma denúncia ao Ministério Público.

O Estadão revelou que o governo Jair Bolsonaro (sem partido) despachou quatro agentes de Inteligência na delegação credenciada para a cúpula do clima em Madri.

Eles monitoraram integrantes da própria delegação, de organizações não governamentais (ONGs) e de países estrangeiros.

Credenciados no evento como "negociadores", os agentes tiveram amplo acesso às instalações da ONU e observaram e relataram críticas a políticas ambientais do governo Bolsonaro.

O Ministério Público Federal foi provocado pela bancada do PSOL na Câmara dos Deputados. O procedimento foi aberto no dia 20 de outubro, de acordo com dados internos da Procuradoria-Geral da República, e está a cargo do próprio gabinete de Aras.

Também acionada, a Procuradoria da República no Distrito Federal abriu um procedimento semelhante em 29 de outubro.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Meio Ambiente