PUBLICIDADE
Topo

Política

Conteúdo publicado há
1 mês

Covaxin: Governo aponta 'indícios de adulteração' em documento de deputado

Vacina Covaxin, produzida pelo laboratório indiano Bharat Biotech - Adnan Abidi/Reuters
Vacina Covaxin, produzida pelo laboratório indiano Bharat Biotech Imagem: Adnan Abidi/Reuters

Matheus de Souza

São Paulo

24/06/2021 12h52

Na mesma linha do ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência da República, Onyx Lorenzoni (DEM-RS), a Secretaria Especial de Comunicação Social (Secom) foi às redes sociais rebater as acusações contra o governo federal no caso da compra de vacinas contra a covid-19 acima do preço anunciado, conforme revelou o Estadão/Broadcast Político. O órgão repetiu o argumento de que as denúncias feitas pelo deputado Luis Miranda (DEM-DF) foram feitas com base em um documento com erros ou adulterado.

"Ao contrário do alardeado, não houve superfaturamento nem favorecimento", publicou a Secom em sua conta oficial no Twitter, repetindo as palavras de Onyx, que disse o mesmo ao comentar sobre o tema na noite desta quarta-feira (23). "Toda a narrativa divulgada pelo deputado, acolhida e propagada exaustivamente pela imprensa tem como base um documento com erros, e que apresenta fortes indícios de adulteração (será periciado)", publicou.

O órgão acusa um servidor de "aparentemente" alterar o documento "por algum motivo escuso". "Ou identificou um erro que logo foi corrigido e, mesmo assim, utilizou o documento errado para criar uma narrativa mentirosa contra o presidente da República e o Governo Federal", declara a Secom.

"Os US$ 15/dose da Covaxin estão numa variação de 30% em relação à média das vacinas negociadas. A contratação íntegra o esforço de garantir vacinas para todos os brasileiros. Como se vê, o governo é atacado tanto por assinar como por (supostamente) não assinar (contratos) ", afirma.

Ao Broadcast Político, Luis Miranda afirmou ter apontado para o presidente Jair Bolsonaro supostas irregularidades e "esquema de corrupção" no contrato do Ministério da Saúde para a compra da vacina indiana Covaxin. O chefe do Executivo, no entanto, teria ignorado o aviso e evitado responder ao parlamentar, segundo relato de auxiliares a Miranda. Os termos do contrato supostamente beneficiariam a empresa responsável pela intermediação da compra do imunizante. Segundo mostrou o Estadão/Broadcast, o valor acertado pela compra das vacinas seria dez vezes maior que o anunciado pela farmacêutica seis meses antes.

Política