PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
1 mês

Governistas da CPI da Covid apresentam relatórios paralelos para isentar Bolsonaro

Os votos em separado são lidos nesta terça-feira, 26, antes da votação do parecer do senador Renan Calheiros (MDB-AL) - Pedro França/Agência Senado
Os votos em separado são lidos nesta terça-feira, 26, antes da votação do parecer do senador Renan Calheiros (MDB-AL) Imagem: Pedro França/Agência Senado

Matheus de Souza e Daniel Weterman

Brasília e São Paulo

26/10/2021 12h02

Integrantes da "tropa de choque" do Palácio do Planalto apresentaram relatórios paralelos na CPI da Covid para isentar o presidente Jair Bolsonaro de responsabilidades na pandemia de covid-19. Os votos em separado são lidos nesta terça-feira, 26, antes da votação do parecer do senador Renan Calheiros (MDB-AL).

Três senadores governistas apresentaram relatórios paralelos, em uma estratégia para defender o governo e usar o tempo de 15 minutos para leitura do parecer na última reunião do colegiado. O parecer de Renan deve ser aprovado por sete votos a quatro, derrotando os votos em separado.

O senador Marcos Rogério (DEM-RO) acusou a CPI de não realizar uma "investigação verdadeira". Segundo ele, o colegiado "vendeu informações que passam a impressão que o governo federal é o único responsável pela condução de serviços de saúde", ressaltando que o sistema de saúde brasileiro é descentralizado.

Eduardo Girão (Podemos-CE), que se declara independente mas teve uma postura alinhada ao governo na CPI, criticou a decisão da cúpula da comissão de focar suas investigações no governo federal.

Girão afirmou que pedirá à Procuradoria-Geral da República (PGR) uma investigação sobre a possibilidade de ocorrência de crime de prevaricação por parte do comando da comissão por não deliberar sobre requerimentos "engavetados", que tinham como foco a investigação de Estados e municípios. O parlamentar também pediu o indiciamento do secretário executivo do Consórcio Nordeste, Carlos Gabas.

O senador Luis Carlos Heinze (PP-RS), também autor de um voto em separado, engrossou o coro de críticas à CPI. Insistente em temas como tratamento precoce, Heinze justificou que foi "muitas vezes ironizado", mas manteve a "coerência e o posicionamento em buscar a verdade". Para ele, os trabalhos da CPI serviram apenas para "menoscabar" o conceito que a população tem do Senado.

A CPI da Covid foi criada no Senado após determinação do Supremo. A comissão, formada por 11 senadores (maioria é independente ou de oposição), investiga ações e omissões do governo Bolsonaro na pandemia do coronavírus e repasses federais a estados e municípios. Tem prazo inicial (prorrogável) de 90 dias. Seu relatório final será enviado ao Ministério Público para eventuais criminalizações.