Espionagem contra Berlusconi é 'inaceitável', diz ministra

ROMA, 24 FEV (ANSA) - A ministra italiana das Relações Institucionais, Maria Elena Boschi, afirmou que a suposta espionagem feita pela Agência de Segurança Nacional (NSA) dos Estados Unidos em conversas de autoridades italianas é "inaceitável".   

"Para nós, é inaceitável uma atividade interceptativa a um governo aliado aos Estados Unidos. É preciso um urgente aprofundamento da questão", afirmou a representante do governo durante sessão na Câmara dos Deputados nesta quarta-feira (24).   

Ela foi a escolhida para responder perguntas dos parlamentares sobre o caso.   

De acordo com Boschi, "as notícias relatadas confirmam o que já era conhecido sobre o interesse das agências norte-americanas contra as instituições europeias e aos governos europeus". A ministra ainda relatou que, no passado, o governo já havia verificado "com nossos serviços e com canais técnicos diplomáticos" que não havia "nenhuma violação de privacidade dos italianos e nem havia sido comprometida a segurança dos líderes do governo".   

Renato Brunetta, líder do partido Força Itália (FI) do qual Berlusconi é presidente, pediu para que Boschi instaure uma comissão parlamentar de inquérito para avaliar a denúncia sobre a suposta espionagem.   

"O que aconteceu conosco quando estávamos no governo pode acontecer com vocês. Está acontecendo na Itália e é bom proteger a soberania de nossas instituições", disse Brunetta agradecendo a ministra pela sua "clareza' nas respostas.   

Ontem (23), o site Wikileaks revelou que a Special Collection Service (SCS), que é uma unidade especial da NSA, interceptou conversas telefônicas do ex-primeiro-ministro italiano Silvio Berlusconi, em 2011, além de ter interceptado ligações do secretário-geral das Nações Unidas Ban Ki-moon.   

O portal afirma que os telefonemas feitos por Berlusconi a seus colaboradores, e também a líderes políticos, como o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, foram monitorados pelo SCS. Em particular, uma conversa entre o então premier e o ex-presidente francês, Nicolas Sarkozy, e a chanceler alemã, Angela Merkel, foi inserida nos relatórios.   

Nela, o francês afirmava que "as instituições financeiras do país poderiam 'explodir' como uma rolha de champanhe e que as palavras não servem mais".   

Por causa do escândalo, o Ministério das Relações Exteriores da Itália convocou o embaixador norte-americano, John Phillips, para obter esclarecimentos sobre o caso.   

- Investigação Procuradoria: Segundo fontes do governo, a Procuradoria de Roma abriu uma investigação sobre o caso. O capítulo, chamado de "atos relativos a", ou seja, sem a hipótese de crime ou de investigados, contém uma série de matérias de imprensa dedicadas ao vazamento dos dados. (ANSA)
Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.


Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos