PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
1 mês

'Sinto muito pelo que meu filho fez', diz pai de atirador do massacre no Texas

Cruzes com nomes das vítimas do massacre em escola de Uvalde, no Texas, Estados Unidos - Marco Bello/Reuters
Cruzes com nomes das vítimas do massacre em escola de Uvalde, no Texas, Estados Unidos Imagem: Marco Bello/Reuters

ANSA

27/05/2022 09h41Atualizada em 27/05/2022 10h32

O pai de Salvador Ramos, jovem de 18 anos que assassinou 21 pessoas em uma escola de Uvalde, no estado americano do Texas, disse que sente muito por aquilo que seu filho fez.

A declaração foi dada em entrevista ao site The Daily Beast na última quinta-feira (26), dois dias após o enésimo massacre com armas de fogo em um colégio dos Estados Unidos.

"Eu só quero que as pessoas saibam que eu sinto muito pelo que meu filho fez", declarou o pai do atirador, que também se chama Salvador Ramos e tem 42 anos.

"Nunca esperei que meu filho fizesse algo assim. Ele deveria apenas ter me matado, sabe, em vez de fazer algo assim com alguém", acrescentou.

Na última terça-feira (24), o jovem Salvador Ramos atirou no rosto de sua avó e dirigiu até a Escola Básica Robb, em Uvalde, abrindo fogo contra alunos de uma sala de quarto ano e assassinando 19 estudantes e duas professoras.

Em seguida, o atirador foi morto em uma troca de tiros com a polícia. O crime foi cometido com dois fuzis comprados legalmente quando o jovem completou 18 anos de idade, reacendendo o debate sobre a facilidade de acesso a armas de fogo nos EUA.

Naquele dia, o pai de Ramos estava trabalhando e só ficou sabendo do massacre quando sua própria mãe telefonou para contar.

"Nunca mais vou ver meu filho, assim como eles [os pais das vítimas] não vão ver mais os seus, e isso me machuca", declarou, acrescentando que Ramos era uma "boa pessoa" e que não sabe o que teria motivado o crime.

Além disso, contou ao Daily Beast que não falava com o filho havia cerca de um mês. "Minha mãe me disse que ele provavelmente teria atirado em mim também, já que dizia que eu não o amava", afirmou.

O pai ainda concluiu que não quer ver seu filho retratado como "um monstro". "Eles não sabem nada, cara. Eles não sabem nada do que ele estava passando", disse.

Internacional