PUBLICIDADE
Topo

Brasil suspende participação na Celac

8.jan.2020 - Marcelo Ebrard, ministro das Relações Exteriores do México, faz pronunciamento à imprensa após assumir a presidência temporária da Celac (Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos), na cidade do México  - Edgard Garrido/Reuters
8.jan.2020 - Marcelo Ebrard, ministro das Relações Exteriores do México, faz pronunciamento à imprensa após assumir a presidência temporária da Celac (Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos), na cidade do México Imagem: Edgard Garrido/Reuters

16/01/2020 08h48

Itamaraty afirma que organização, composta por 33 países latino-americanos e caribenhos, incluindo Cuba e Venezuela, não está em condições de atuar no "atual contexto de crise regional".

O governo brasileiro formalizou ontem a decisão de suspender a participação do país na Celac (Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos), um organismo internacional composto por 33 países, sem a presença dos Estados Unidos.

O governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) ignorou apelos do México - que assumiu este ano a presidência da Celac - para que o país voltasse a participar ativamente do organismo. Uma nota do Itamaraty afirma que o Brasil "não considera estarem dadas as condições para a atuação da Celac no atual contexto de crise regional".

Entre os motivos para a decisão brasileira estariam os fatos de o governo Bolsonaro não ver com bons olhos a participação de Cuba na entidade e de a representação da Venezuela ser composta de membros do governo do presidente Nicolás Maduro.

O Brasil está entre os cerca de 50 países que reconhecem o autoproclamado governo interino do líder oposicionista venezuelano Juan Guaidó. O governo brasileiro considera legítimos apenas os representantes de Guaidó em vários organismos internacionais.

O Itamaraty disse ainda que, além de não participar dos eventos relacionados à instalação do México na presidência da entidade, "qualquer documento, agenda ou proposta de trabalho que viesse a ser adotado durante a reunião ministerial [da Celac] não se aplica ao Brasil".

O governo brasileiro já havia se afastado da entidade Celac no ano passado, quando a presidência da entidade estava nas mãos da Bolívia, ainda durante o governo do ex-presidente Evo Morales.

A Celac, um dos principais fóruns de debates políticos na América Latina, foi criada em fevereiro de 2010, durante o governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Ela agrupa quase todos os países da OEA (Organização dos Estados Americanos), com exceção dos EUA e do Canadá.

No ano passado, o governo Bolsonaro também formalizou a saída do Brasil da Unasul (União das Nações Sul-americanas), bloco sul-americano criado em 2008 por Hugo Chávez.

Internacional