Conteúdo publicado há 6 meses

Entenda o que é o Hamas, grupo islâmico que ataca Israel

Fundado nos anos 1980, o grupo radical islâmico Hamas detém poder na Faixa de Gaza. Atuando como misto de organização social e facção armada, prega destruição de Israel e é tido como terrorista por grande parte do Ocidente.

O grupo palestino Hamas assumiu o ataque de larga escala que pegou Israel de surpresa neste sábado (7). A ofensiva maciça, que incluiu o lançamento de milhares de foguetes, infiltração e incursão de terroristas armados em território israelense e tomada de reféns, deixou dezenas de mortos.

O comandante militar do Hamas, Mohammad Deif, anunciou o início da operação em uma transmissão nos meios de comunicação do Hamas. "Este é o dia da maior batalha para acabar com a última ocupação do planeta. Decidimos pôr fim a todos os crimes da ocupação (de Israel), o seu tempo de violência sem responsabilização acabou."

Em resposta, as forças israelenses lançaram uma ofensiva aérea contra a Faixa de Gaza, um enclave habitado por palestinos e controlado pelo Hamas desde 2007.

História e ideologia

O Hamas, ou Movimento de Resistência Islâmica, foi fundado em 1987 durante a primeira Intifada, ou revolta palestina.

Sua carta fundadora de 1988 não reconhece a existência de Israel e exige a destruição do estado judeu. Seu emblema mostra o Domo da Rocha de Jerusalém e, entre bandeiras palestinas, o contorno de um Estado palestino incluindo também Israel.

Em contraste com outros grupos militantes palestinos anteriores, como a Organização para a Libertação da Palestina (OLP), que adotavam o nacionalismo palestino ou árabe como ideologia, a principal força motriz do Hamas é o radicalismo islâmico e o estabelecimento de um Estado muçulmano em todas as terras habitadas por palestinos e do território israelense.

As origens ideológicas do grupo remontam à Irmandade Muçulmana, movimento fundado no Egito nos anos 1920 e que influenciou diversos grupos radicais islâmicos, incluindo a rede terrorista Al-Qaeda.

Continua após a publicidade

O Hamas, no entanto, não atua apenas como um grupo armado, possuindo ainda um braço de serviços sociais chamado Dawah, que dirige escolas, orfanatos, restaurantes populares e clubes esportivos, que atuam sobretudo na Faixa de Gaza, um enclave empobrecido e superpopuloso habitado por palestinos ao sul de Israel.

No âmbito do Processo de Oslo, a OLP de Yasser Arafat selou uma frágil paz com Israel em 1993, desse modo dando fim à primeira Intifada. Porém o Hamas não reconheceu a decisão e seguiu perpetrando atentados em território israelense.

Nas eleições de 2006 na Faixa de Gaza, o Hamas obteve maioria absoluta, consolidada um ano mais tarde por uma espécie de golpe de Estado, que expulsou políticos palestinos moderados do enclave. Desde então, nenhuma nova eleição foi realizada em Gaza, com o Hamas exercendo domínio absoluto na área. E, desde então, o território também passou a ser submetido a um duro bloqueio econômico por Israel. Segundo organizações de direitos humanos, o Hamas também impôs medidas islâmicas radicais no enclave, como a obrigação do uso do véu pelas mulheres e repressão a outras religiões.

Com o golpe, os territórios palestinos estão separados não só geográfica, como também politicamente, já que a Cisjordânia é governada pelo partido Al Fatah, liderado por Mahmud Abbas. Enquanto isso, a partir de Gaza, o Hamas prossegue os ataques a Israel, definidos como "legítima defesa", além de ter travado cinco acirrados combates com as Forças Armadas israelenses, em 2008-09, 2012 e 2014, 2021 e agora em 2023. Nessas campanhas, o Hamas lançou ataques suicidas e foguetes contra Israel.

Grupo é classificado como terrorista

O Hamas é classificado como organização terrorista por diversos países, incluindo Israel, Estados Unidos, Canadá, Japão, Reino Unido e todos os países membros da União Europeia.

Continua após a publicidade

O grupo, no entanto, não é classificado como tal pela China, Rússia e Brasil. Outros, como Noruega e Suíça, também evitam a classificação, evocando o princípio da neutralidade e mantêm contatos com o grupo, atuando como mediadores em conflitos. Já a Nova Zelândia classifica apenas o braço militar do Hamas, os Batalhões do Mártir Izz ad-Din al-Qassam, como organização terrorista.

Apoio do Irã e do Catar

Apoiadores do Hamas incluem o Irã, Síria e Catar. O Catar é um dos principais patrocinadores financeiros e aliados estrangeiros do Hamas, chegando a pagar os salários de funcionários de organizações civis do Hamas. Em 2012, seu emir foi o primeiro chefe de Estado a visitar a liderança do grupo islâmico em Gaza.

Outro apoiador importante do Hamas é o regime fundamentalista islâmico do Irã, que nos anos 2000 passou a ser responsável por um quarto do orçamento do Hamas. Parte desse apoio financeiro era canalizado por meio do grupo radical Hezbollah, baseado no Líbano, e também apoiado pelo Irã. No entanto, as sanções impostas contra o Irã no final dos anos 2000 dificultaram o envio de dinheiro, levando o Hamas a depender mais de doadores do Catar e da Arábia Saudita.

Neste sábado, o iraniano Rahim Safavi, conselheiro de autoridade máxima do país, o aiatolá Ali Khamenei, disse que Teerã estará ao lado dos palestinos "até a libertação de Jerusalém". Safavi parabenizou os membros do Hamas e garantiu o apoio do Irã ao grupo

Já o Catar pediu neste sábado aos palestinos e a Israel que exerçam "máxima contenção", mas responsabilizou "unicamente a Israel" pela nova escalada.

Continua após a publicidade

"O Estado do Catar expressa sua grande preocupação com a situação em Gaza, apela a todas as partes para que exerçam a máxima contenção e parem a escalada", disse o Ministério das Relações Exteriores catari em um comunicado.

A pasta afirmou, no entanto, que "responsabiliza unicamente Israel pela escalada em curso devido às suas contínuas violações dos direitos do povo palestino, incluindo os repetidos ataques (por colonos judeus), sob a proteção da polícia israelense, da Mesquita Al Aqsa", na Esplanada das Mesquitas, em Jerusalém Oriental, ocupada por Israel em 1967.

Deixe seu comentário

Só para assinantes