PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Trump e líder da Coreia do Norte terão conversa a sós durante cúpula no Vietnã

Donald Trump e Kim Jong-un durante encontro em Singapura em 2018 - Reprodução/Saulo Loeb/AFP
Donald Trump e Kim Jong-un durante encontro em Singapura em 2018 Imagem: Reprodução/Saulo Loeb/AFP

21/02/2019 15h00

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e o líder da Corte do Norte, Kim Jong-un, se reunirão a sós durante a cúpula da próxima semana no Vietña, que terá um formato parecido com o histórico primeiro encontro entre eles.

"(A cúpula) será em formato similar ao que vocês viram em Singapura", disse um integrante do alto escalão do governo americano, que pediu anonimato, sobre a reunião da próxima semana.

"Haverá uma oportunidade para que eles se encontrem a sós, jantem juntos e mantenham outras reuniões com as respectivas delegações", explicou a fonte ouvida pela Agência Efe.

A Casa Branca não divulgou a agenda de Trump. A fonte não explicou se a reunião a sós ocorrerá no início da cúpula, como ocorreu em Singapura. O primeiro encontro durou um único dia.

Em Singapura, os dois líderes conversaram sozinhos por 38 minutos antes de incluir as respectivas delegações na reunião. Muitos se questionaram o que Trump e Kim falaram nesse primeiro contato.

Mais rumores surgiram após o encontro a sós entre Trump e o presidente da Rússia, Vladimir Putin, no mês seguinte, em Helsinque, capital da Finlândia. Os dois conversaram por duas horas, com a presença apenas de tradutores.

A nova cúpula com Kim terá como objetivo definir o que significa de fato significará a desnuclearização da Coreia do Norte, após meses de estagnação nas negociações sobre esse conceito.

Trump também falou nas últimas semanas sobre o possível futuro econômico da Coreia do Norte e da posição privilegiada do país, que fica entre Rússia e China.

"Depois de quebrar o gelo em junho, Trump quer falar agora mais profundamente sobre o tipo de futuro que a Coreia do Norte poderia ter se cumprir o compromisso com a desnuclearização completa e definitiva", explicou a fonte da Casa Branca. 

Internacional