PUBLICIDADE
Topo

Guerra da Rússia-Ucrânia

Notícias do conflito entre Rússia e Ucrânia


Conteúdo publicado há
2 meses

Guterres chega a Kiev para encontrar Zelensky após visitar Putin em Moscou

Guterres entrou na Ucrânia na manhã de hoje pela fronteira com a Polônia e continuou sua viagem para a capital, Kiev, de carro - Andrew Kelly/Reuters
Guterres entrou na Ucrânia na manhã de hoje pela fronteira com a Polônia e continuou sua viagem para a capital, Kiev, de carro Imagem: Andrew Kelly/Reuters

27/04/2022 16h02

O secretário-geral da ONU, António Guterres, chegou a Kiev nesta quarta-feira em missão de paz para se encontrar amanhã com o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, depois de visitar a Rússia ontem, "por um questão logística", apesar da ordem das visitas não ter sido do agrado do mandatário ucraniano.

"A ordem das visitas foi uma questão de logística. As cartas foram enviadas aos dois governos a partir de Nova York; a Rússia respondeu antes e quando chegou da Ucrânia, essa visita estava marcada", explicou à Agência Efe, Saviano Andreu, porta-voz do Escritório de Coordenação de Assuntos Humanitários (Ocha, na sigla em inglês), braço humanitário das Nações Unidas.

Guterres entrou na Ucrânia na manhã de hoje pela fronteira com a Polônia e continuou sua viagem para a capital, Kiev, de carro, escoltado por seguranças da ONU e militares ucranianos, como a Efe pôde verificar.

Em sua viagem para Kiev, o chefe da ONU fez uma parada ao longo do caminho em um posto de gasolina em Wog, município localizado a cerca de 150 quilômetros de Lviv, bem como uma segunda parada em Zhytomyr, a cerca de 140 quilômetros de Kiev.

Além de Zelensky e do ministro das Relações Exteriores, Dmytro Kuleba, Guterres também se reunirá com funcionários das agências da ONU para discutir "como otimizar a assistência humanitária ao povo da Ucrânia", embora, por enquanto, não tenha sido revelado onde será a visita ao terreno.

Não houve comunicação entre a ONU e o governo ucraniano após a queixa de Zelensky da visita realizada primeiro a Moscou. O chefe do Governo ucraniano lembrou que era seu país que estava recebendo o ataque e considerou que não era justo que Guterres se encontrasse primeiro com Putin.

O porta-voz do Ocha explicou à Efe que sua viagem aos dois países é "uma missão de paz". A ONU, disse ele, está trabalhando para que "o terror e o horror nas áreas que estão sendo bombardeadas acabem o mais rápido possível" e para que "a ajuda humanitária possa chegar às pessoas que precisam".

"Há muitas partes da Ucrânia que não podemos alcançar, por exemplo Mariupol ou Kherson. É urgente que seja alcançado um acordo com os corredores humanitários e que as pessoas necessitadas possam ser evacuadas", acrescentou o porta-voz.

"A guerra tem causado um número de mortes, pessoas deslocadas e um nível de sofrimento humano inimaginável. Temos 25% da população da Ucrânia que precisa de ajuda humanitária por causa da guerra", acrescentou Saviano Abreu.

Na sequência dos "acordos de Moscou", disse, a ONU já está se preparando e coordenando para que essas evacuações e a entrada de alimentos humanitários sejam possíveis e ocorram o mais rápido possível, e ele espera que possam dar frutos após as reuniões que acontecerão amanhã na Ucrânia.

Esta é a primeira viagem de Guterres aos dois países devastados pela guerra desde meados de fevereiro, quando a Rússia lançou suas tropas no leste e norte da Ucrânia, provocando o maior movimento de refugiados na Europa em décadas.

A ONU como um todo foi questionada durante a guerra na Ucrânia pela incapacidade de pará-la ou mesmo de conseguir uma trégua ou um acordo para "corredores humanitários", principalmente devido ao poder de veto que a Rússia tem no Conselho de Segurança como um dos seus membros permanentes.