PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus: Argentinos deixam Brasil, não podem voltar para casa e ficam presos em ponte

Ponte da Fraternidade, que liga Brasil e Argentina, está fechada por causa do coronavírus - Kiko Sierich/Getty Images
Ponte da Fraternidade, que liga Brasil e Argentina, está fechada por causa do coronavírus Imagem: Kiko Sierich/Getty Images

Lisandra Paraguassu

em Brasília

30/03/2020 17h47

Um grupo de quase 20 argentinos está preso desde o final de semana na ponte da Fraternidade, entre Foz do Iguaçu e Puerto Iguazú (Argentina), sem poder entrar em seu país e nem voltar ao Brasil devido ao fechamento das fronteiras pela epidemia de coronavírus.

Na semana passada, o governo argentino ampliou para argentinos e residentes da Argentina o decreto que impedia a entrada no país de quem está no exterior. O decreto deixou do lado de fora das fronteiras cerca de 15 mil argentinos, em várias partes do mundo. Uma boa parte deles no Brasil.

De acordo com a Polícia Federal, as pessoas que estão chegando às fronteiras terrestres estão sendo avisadas de que não poderão entrar na Argentina. O mesmo trabalho está sendo feito pelos consulados do país no Brasil.

Ainda assim, o grupo que está hoje na ponte insistiu em atravessar. No final da semana passada, eram oito, mas durante o final de semana outros chegaram e agora quase duas dezenas aguardam na ponte uma solução. Uma barraca foi colocada no local para abrigá-los do sol e a PF e a Polícia Rodoviária Federal tentam conseguir um banheiro químico.

Segundo a PF em Foz, o grupo deixou o Brasil, apesar de ter sido avisado de que não poderia entrar na Argentina. Ao ser impedido de entrar em seu país, também não pôde voltar ao Brasil pelo decreto brasileiro que impede a entrada de estrangeiros.

O caso na Ponte da Fraternidade é extremo, mas outras cidades brasileiros também estão tomadas por argentinos impedidos de voltar para casa. É o caso, por exemplo, de Florianópolis.

O mês de março é um dos preferidos dos argentinos para passar o verão em praias do sul do Brasil, já que o fim da temporada de veraneio reduz os preços de aluguéis e hotéis. O consulado argentino em Florianópolis calcula em cerca de mil pessoas na capital de Santa Catarina aguardando a possibilidade de voltar para casa.

Na página do consulado nas redes sociais, são dezenas de pedidos de ajuda e reclamações.

Em vários casos, os argentinos reclamam do cancelamento de voos que os obrigou a ficar mais tempo do que o planejado e agora estão impedidos de voltar para casa. Em um caso, uma senhora conta que está com um grupo de oito pessoas com mais de 65 anos em uma das praias da ilha e pede ajuda para pagar a hospedagem, já que vários estão ficando sem dinheiro.

O designer Damián de Carlo Magni está com os pais na praia de Bombinhas, em Santa Catarina, sem conseguir voltar para casa.

"Eles estão com o hotel pago até hoje e praticamente não têm mais dinheiro para pagar mais", contou à Reuters. "Faz dias que preenchi todos os formulários que me pediram, me ligaram para dizer que receberam, mas não deram mais nenhuma informação."

O decreto do governo argentino tem validade até a próxima terça-feira, mas há previsão de que seja estendido, já que o presidente Alberto Fernández estendeu no domingo o decreto de isolamento total até 13 de abril.

Coronavírus