PUBLICIDADE
Topo

Meio Ambiente

Mourão diz que setor privado será protagonista no desenvolvimento sustentável da Amazônia

Dados do Inpe apontam que o desmatamento da Amazônia subiu 34,5% nos últimos 12 meses - Gabriela Biló/Estadão
Dados do Inpe apontam que o desmatamento da Amazônia subiu 34,5% nos últimos 12 meses Imagem: Gabriela Biló/Estadão

Maria Carolina Marcello

Da Reuters, em Brasília

11/08/2020 14h24

O vice-presidente da República, Hamilton Mourão (PRTB), afirmou hoje que o setor privado, e não o Estado, terá papel principal no desenvolvimento sustentável da Amazônia.

Mourão, que também coordena o Conselho da Amazônia, citou, em videoconferência com representantes de países que também abrigam a floresta amazônica, a reação internacional à gestão ambiental no Brasil e garantiu que haverá repressão a crimes contra o meio ambiente.

"O protagonista do desenvolvimento sustentável na Amazônia será o setor privado, não o Estado. E por fim, há que se ter em conta a realidade socioeconômica da região, que exige criatividade e inovação, próprias do espírito empreendedor do setor privado. Manteremos a repressão aos crimes ambientais", disse o vice-presidente.

"Além da perda de patrimônio natural nos incêndios florestais de 2019, enfrentamos uma intensa reação internacional contra nosso governo. Isso nos confirmou que a preservação da Amazônia ocupa um lugar especial no imaginário ambiental do mundo moderno", reconheceu Mourão.

Para ele, há "uma grande desinformação a respeito da realidade social e econômica da região". O vice-presidente aproveitou para alertar para a postura de alguns, que "se aproveitaram da crise para avançar em interesses protecionistas e renovar atitudes neocolonialistas".

Dados preliminares do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) apontaram que o desmatamento na floresta amazônica subiu 34,5% no acumulado em 12 meses na comparação anual, apesar da queda em julho se comparado com julho de 2019, enquanto o número de focos de incêndios aumentou 28% no mês em relação a um ano atrás.

Meio Ambiente