PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
6 meses

Ex-policial Derek Chauvin passa a admitir culpa por violar direitos de George Floyd

20.abr.2021 - Pessoas seguram cartazes com pinturas de George Floyd, Daunte Wright e Philando Castile após a divulgação do veredicto do julgamento de Derek Chauvin, ex-policial de Minnesota que matou Floyd asfixiado - Carlos Barria/Reuters
20.abr.2021 - Pessoas seguram cartazes com pinturas de George Floyd, Daunte Wright e Philando Castile após a divulgação do veredicto do julgamento de Derek Chauvin, ex-policial de Minnesota que matou Floyd asfixiado Imagem: Carlos Barria/Reuters

15/12/2021 14h30

O ex-policial Derek Chauvin declarou-se culpado, nesta quarta-feira, em um tribunal federal do Minnesota de acusações de violação dos direitos civis de George Floyd durante o assassinato do homem negro em 2020, revertendo sua declaração de inocência de setembro.

Procuradores pediram ao juiz que o condene a 25 anos de prisão, que seriam concomitantes à sua pena estadual e lhe acrescentariam cerca de dois anos, noticiou o jornal New York Times.

Chauvin, um homem branco de 45 anos, já foi condenado por uma corte estadual a 22,5 anos de prisão pelo assassinato de Floyd em 2020. O então policial se ajoelhou sobre o pescoço de Floyd durante quase nove minutos enquanto um passante registrava tudo em um celular.

Sua condenação em abril na corte estadual por homicídio foi vista por muitos como uma refutação histórica do uso desproporcional da força por parte da polícia contra norte-americanos negros.

O vídeo que mostrou Chauvin se ajoelhando sobre o pescoço da vítima algemada durante a prisão causou revolta global e desencadeou um dos maiores movimentos de protesto dos Estados Unidos em décadas.

Chauvin e três outros policiais, Thomas Lane, J. Alexander Kueng e Tou Thao, estavam prendendo Floyd pela suspeita de uso de uma nota falsa de 20 dólares. Lane, Kueng e Thao enfrentam acusações como cúmplices pela morte de Floyd em um julgamento estadual que deve começar em março.

Internacional