Conteúdo publicado há 2 meses

Israel intensifica ofensiva por terra e ar no sul da Faixa de Gaza

Intensos bombardeios israelenses atingiram nesta segunda-feira o sul da Faixa de Gaza, matando e ferindo dezenas de palestinos, inclusive em regiões onde Israel aconselhou as pessoas a se abrigarem, disseram moradores e jornalistas na área.

Tropas e tanques israelenses também intensificaram a campanha em solo contra militantes do Hamas no sul do enclave, depois de terem obtido majoritariamente o controle do norte, que está devastado pelo conflito.

Na Organização das Nações Unidas, o secretário-geral António Guterres apelou a Israel que evite ações que tornem a já ruim situação humanitária da Faixa de Gaza ainda pior, e que poupe os civis de mais sofrimento.

"Para as pessoas que foram aconselhadas a se retirar, não há um lugar seguro para ir e muito pouco para sobreviver", afirmou o porta-voz da ONU, Stephane Dujarric.

Nesta segunda-feira, Israel informou aos palestinos que eles deveriam deixar regiões da principal cidade do sul do enclave, Khan Younis. Mas moradores disseram que os locais para onde eles foram aconselhados a ir também estavam sob ataque.

Os militares israelenses postaram um mapa na plataforma X, com cerca de um quarto do território de Khan Younis marcado de amarelo, como local que deveria ser esvaziado imediatamente. Três setas apontavam para o sul e o oeste, aconselhando que os moradores se dirigissem à costa mediterrânea e em direção a Rafah, principal cidade na fronteira com o Egito.

Moradores da Faixa de Gaza, desesperados, juntaram seus pertences e foram em direção a Rafah, a maioria a pé, passando pelas ruínas de prédios em uma procissão solene e silenciosa.

Contudo, o chefe da agência da ONU para os refugiados palestinos em Gaza (UNRWA), Thomas White, disse que as próprias pessoas em Rafah estão sendo obrigadas a fugir: "Elas pedem conselhos de onde encontrar um local seguro. Mas não temos nada para responder".

No norte do enclave, a agência de notícias oficial palestina Wafa disse que pelo menos 50 pessoas morreram em um ataque aéreo israelense que atingiu duas escolas com desabrigados, no bairro de Daraj, na cidade de Gaza.

Continua após a publicidade

Não foi possível contatar o Ministério da Saúde de Gaza para comentar a notícia e não foi possível verificá-la imediatamente de forma independente. Um porta-voz do Exército israelense disse que estava analisando a notícia.

O Ministério da Saúde de Gaza afirmou que pelo menos 15.899 palestinos, 70% mulheres e pessoas menores de 18 anos, morreram em função dos bombardeios israelenses nas oito semanas de conflito. Há outras milhares de pessoas desaparecidas, possivelmente sob escombros.

Israel lançou uma ofensiva para eliminar o Hamas em retaliação aos ataques de 7 de outubro pelos membros do grupo. Eles mataram 1.200 pessoas e tomaram 240 reféns, de acordo com contagens israelenses. Foi o dia mais mortal de Israel em seus 75 anos de história.

O bombardeio em Rafah durante a noite deixou uma cratera do tamanho de uma quadra de basquete no solo. Os pés descalços e as calças pretas de uma criança pequena morta saíam para fora de uma pilha de escombros. Homens usavam suas mãos para tentar remover os blocos de concreto que esmagaram a vítima.

Mais tarde, eles entoavam "Deus é o maior" e choravam enquanto marchavam pelas ruínas carregando o corpo numa trouxa e o de outra criança enrolada num cobertor.

"Estávamos dormindo e seguros", afirmou Salah al-Arja, dono das casas destruídas. "Havia crianças, mulheres e mártires. Eles falam que é uma área segura, mas não tem área segura na Faixa de Gaza."

Continua após a publicidade

Israel acusa o Hamas de colocar civis em perigo ao operar em áreas com civis, incluindo em túneis que só podem ser destruídos com grandes bombas. O grupo nega a prática.

(Reportagem de Mohammed Salem na Faixa de Gaza, Maayan Lubell, Ari Rabinovich e Emily Rose em Jerusalém, Maggie Fick em Beirute, Andrew Mills em Doha)

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes

As mais lidas agora