PUBLICIDADE
Topo

Meio Ambiente

Líderes indígenas da Guiana Francesa acusam Paris de destruir a Amazônia

O arquipélago da Ilha do Diabo, na Guiana Francesa, já foi chamado de "inferno verde" - BrantleyHighline/Getty Images/iStockphoto
O arquipélago da Ilha do Diabo, na Guiana Francesa, já foi chamado de "inferno verde" Imagem: BrantleyHighline/Getty Images/iStockphoto

Da agência RFI

06/02/2020 17h12

Representantes das comunidades indígenas da Guiana Francesa criticaram hoje a postura de Paris sobre a política agrária no território que faz fronteira com o Brasil. Para líderes autóctones, o governo da França estaria facilitando a compra de terras para agricultores que, em seguida, dividem e revendem os terrenos, colocando em risco a floresta amazônica.

A principal crítica dos representantes indígenas é contra as subvenções agrícolas estabelecidas pelo governo francês e destinadas a estimular o desenvolvimento econômico local. Segundo eles, essas iniciativas não estariam resultando em nenhum projeto significativo.

Mas o principal problema, segundo Claudette Labonté, dirigente indígena presidente da federação Parikweneh da Guiana Francesa, a região tem sido vítima dos subsídios não regulamentados que marginalizam os nativos e beneficiam os grandes fazendeiros.

"Os agricultores fazem pedidos de parcelas de terra, que são diferentes dos pedidos feitos pelos autóctones", explica a líder indígena, que também trabalha com a Coordenação das Organizações Indígenas da Bacia Amazônica (COICA).

"Nós dependemos de uma comissão, que regulamenta as condições de concessões das terras nas quais podemos viver e suprir nossas necessidades, enquanto os agricultores dependem de uma outra comissão, diferente da nossa. Nós consideramos que há uma grande especulação sobre os terrenos, pois há muitos pedidos de terra vindos dos agricultores. Praticamente todos os meses as comissões para os fazendeiros se reúnem", explica.

Ela teme que essa política de subsídios "transforme a floresta exuberante em um terreno baldio"

A líder indígena relata que muitas vezes os terrenos concedidos são usados de forma indevida, desrespeitando as regras de cultivo ou de proteção da natureza. "Quando vamos nas zonas agrícolas, constatamos que essas terras são revendidas. Os terrenos são divididos em parcelas e vendidos a particulares", denuncia Claudette Labonté.

"Nós lutamos para ter um pedaço de terra e geralmente somos bloqueados, enquanto os agricultores não encontram nenhum problema. Para eles, tudo funciona", denuncia.

Meio Ambiente